Economia

IPCA-15: prévia da inflação tem alta de 0,76% em fevereiro

Em comparação a janeiro, o índice subiu 0,21% e foi impactado pela aumento nas mensalidades escolares

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) ficou em 0,76% em fevereiro. O dado foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira 24. 

O IPCA-15 é considerado a prévia oficial da inflação e serve de parâmetro para o aumento do custo de vida da população. O índice representa uma tendência e contempla a segunda metade do mês anterior e a primeira do mês de referência. Para além do número final do ano, o resultado mês a mês mede de forma mais precisa as altas e as quedas nos preços.

Em comparação a janeiro, o índice subiu 0,21%. Em fevereiro do ano passado, o índice foi de 0,99%. No acumulado dos últimos 12 meses, o IPCA-15 caiu de 5,87% para 5,63%. O índice está acima da meta de inflação buscada pelo Banco Central (BC) em 2023, de 3,25% com intervalo de tolerância de 1,5% para mais ou para menos. 

Variações por grupos

O IBGE pesquisou nove grupos de produtos e serviços. Em oito deles, houve alta nos preços. A exceção ficou por conta de vestuário, cujos preços caíram 0,05% após um aumento de 0,42% em janeiro. A principal alta veio de educação, que subiu 6,41% em comparação a janeiro e foi resultado do aumento das mensalidades escolares no início do ano letivo.

Em relação à educação, a variação do ensino médio foi de 10,29%, seguida da praticada no ensino fundamental (10,04%) e na pré-escola (9,58%). O aumento no ensino superior foi de 5,33%.

A habitação foi especialmente impactada pelas altas em aluguel residencial, cuja variação foi de 0,89%. A taxa de água e esgoto e o condomínio também tiveram altas, com 1,32% e 0,89%, respectivamente. Depois de ter registrado uma queda de 0,16% em janeiro, a energia elétrica subiu 0,35% neste mês.

O grupo de alimentação e bebidas também registrou alta. Com 0,39%, o aumento foi abaixo do registrado em janeiro (0,55%). Os alimentos para consumo em casa – como arroz, frutas, verduras, etc – subiram 0,38%. A alimentação fora do domicílio também teve um aumento em patamar próximo, com 0,40% de alta.

Os preços ficaram mais altos, também, quando se observa o IPCA-15 regionalmente. Para medir o índice, o IBGE pesquisa, regularmente, onze capitais brasileiras. A maior variação foi em Salvador (BA), com 1,19%. São Paulo (SP), que tem um peso regional de 33,45%, teve a segunda maior variação entre as capitais pesquisadas, com 0,91%. Goiânia (GO), por sua vez, teve o menor aumento, com 0,40%.

A inflação tem sido um dos temas centrais da equipe econômica do governo, tanto pelo seu impacto direto no poder de compra da população, como por ser determinante para o patamar da taxa de juros no país.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo