Governo propõe salário mínimo de 1.067 reais em 2021, segundo ano sem ganho real

Valor representa um aumento de 22 reais em relação ao salário mínimo atual, que é de 1.045 reais

Valor do salário mínimo ficou fixado em 1.045 a partir de 1º de fevereiro (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

Valor do salário mínimo ficou fixado em 1.045 a partir de 1º de fevereiro (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

Economia

O governo federal propôs um salário mínimo de 1.067 reais para 2021, de acordo com a proposta de Orçamento do ano que vem enviada ao Congresso Nacional nesta segunda-feira 31.

Segundo o Ministério da Economia, a queda da inflação impactou o reajuste do mínimo. Em abril, a pasta estimava que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) encerraria 2020 em 3,19%. No projeto do Orçamento, a estimativa foi revisada para 2,09%.

O governo do presidente Jair Bolsonaro mudou a política de aumentos reais (acima da inflação) que era implementada nos últimos anos, proposta pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e aprovada pelo Congresso.

A regra de reajuste do salário mínimo que estabelecia a correção do INPC do ano anterior mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos) de dois anos antes perdeu a validade em 2019. O salário mínimo agora é corrigido apenas pelo INPC, considerando o princípio da Constituição de preservação do poder de compra do mínimo.

PIB

O projeto do Orçamento também reduziu as estimativas de crescimento econômico para o próximo ano na comparação com os parâmetros da LDO. A projeção de crescimento do PIB passou de 3,3% para 3,2% em 2021. A previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado como índice oficial de inflação, caiu de 3,65% para 3,24%.

Outros parâmetros foram revisados. Por causa da queda da Selic (juros básicos da economia), a proposta do Orçamento prevê que a taxa encerrará 2021 em 2,13% ao ano, contra projeção de 4,33% ao ano que constava na LDO. O dólar médio chegará a R$ 5,11 em 2021, contra estimativa de R$ 4,29 da LDO.

(Com informações da Agência Brasil)

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem