CartaExpressa

Governo Lula prepara MP para isentar do IR quem recebe R$ 2,8 mil, diz José Guimarães

O líder do governo na Câmara foi entrevistado do programa ‘Poder em Pauta’; assista à íntegra

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE). Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O deputado federal, José Guimarães (PT-CE), líder do governo Lula na Câmara, afirmou nesta sexta-feira que o governo federal estuda enviar ao Congresso uma medida provisória que prevê isentar do Imposto de Renda brasileiros que recebem dois salários mínimos – ou seja, 2,8 mil reais.

Guimarães foi entrevistado no programa Poder em Pauta, no canal do Youtube de CartaCapital. Atualmente, a isenção está fixada em 2,6 mil reais, com base no mínimo que vigorou durante o ano de 2023.

“Nós aprovamos uma política de valorização permanente do salário mínimo. 2023 foi o primeiro ano em que houve aumento real no poder de compra do trabalhador”, afirmou. “E, agora, vamos apresentar um projeto determinando a isenção de dois mínimos do IR. Ou seja, uma isenção de quase 3 mil reais“.

A política de reajuste à qual Guimarães fez referência foi aprovada pelo Congresso e sancionada por Lula em agosto passado. Com a norma, o cálculo para definir o valor do mínimo combina a inflação e a variação positiva do Produto Interno Bruto de dois anos anteriores.

A valorização permanente do salário mínimo foi adotada no Brasil em anos anteriores, mas barrada durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Foram cinco anos de desmonte, cinco anos sem aumento salarial dos servidores, sem política que valorização do salário mínimo, as políticas foram desconstruídas”, completou o líder. “Conseguimos recuperar parte da destruição feito pelo antigo governo e vamos avançar para ampliar a isenção do IR e ajudar a melhorar o poder de compra dos brasileiros”.

Assista à entrevista: 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo