…

Governo faz corte de 44 bilhões de reais no Orçamento de 2014

Economia

O governo anunciou nesta quinta-feira 20 que o corte no Orçamento Geral da União de 2014 alcançará 44 bilhões de reais. Com o corte, o governo pretende atingir este ano um superávit primário equivalente a 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB), correspondente a todo o setor público consolidado, buscando com isso manter os fundamentos da economia e a confiança dos investidores internacionais e do mercado interno.

O corte de 44 bilhões de reais em 2014 foi superior ao verificado em 2013, que alcançou 38 bilhões de reais, mas inferior ao enxugamento ocorrido em 2012 (55 bilhões de reais) e em 2011 (50,1 bilhões de reais).

Dos 44 bilhões de reais, 13,5 bilhões de reais são despesas obrigatórias e 30,5 bilhões de reais correspondem a despesas discricionárias. O detalhamento dos cortes no Orçamento foi explicado no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, pela ministra Miriam Belchior e pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. A ministra Miriam Belchior disse que os dados referentes ao corte orçamentário serão publicados no Diário Oficial da União, na sexta-feira 21.

Para o ministro Mantega, o enxugamento orçamentário constituiu uma boa sinalização aos mercados interno e externo, tendo em vista as turbulências econômicas internacionais do momento. No entanto, o ministro da Fazenda afirmou que, após os cortes verificados, haverá um aumento no otimismo dos agentes econômicas em relação ao Brasil.

Mantega disse que, com o corte de 44 bilhões de reais, o governo economizará 80,8 bilhões de reais, número maior do que a economia verificada em 2013, quando este patamar chegou a 75,3 bilhões.

As previsões do governo foram feitas com base na manutenção dos seguintes parâmetros da economia brasileira: superávit primário de 1,9% do PIB, equivalente a 99 bilhões de reais; inflação de 5,3% e dólar na faixa de 2,44 reais.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem