Economia

Gasolina estaria quase 20% mais cara com a privatização de refinarias, aponta levantamento

O diesel S-10, por sua vez, custaria 12% a mais que no atual estágio, segundo estudo do Observatório Social da Petrobras

Foto: Geraldo Kosinski/Petrobras
Foto: Geraldo Kosinski/Petrobras
Apoie Siga-nos no

Um estudo do Observatório Social da Petrobras, ligado à Federação Nacional dos Petroleiros, indica que o preço da gasolina estaria em média 19% mais alto se as refinarias tivessem sido privatizadas conforme o plano de desestatização da empresa.

O OSP se baseia nos preços cobrados pela Refinaria de Mataripe, na Bahia, antes e depois de sua privatização, no fim do ano passado.

O diesel S-10, por sua vez, custaria 12% a mais que no atual estágio.

“Para chegar a esses números, levamos em conta o comportamento passado – antes da privatização – dos preços cobrados pelas refinarias em relação à Rlam e colocamos todos os valores em função do que é efetivamente cobrado pela Acelen, gestora da Refinaria de Mataripe, desde 1º de janeiro de 2022”, explica o economista Eric Gil Dantas, do OSP e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais.

“Essa simulação mostra que o efeito imediato da privatização da Petrobras é a subida geral de preços e não a diminuição, como o atual ministro de Minas e Energia quer fazer crer com sua declaração.”

O levantamento aponta que a Refinaria Isaac Sabbá, em Manaus (AM), cobraria 65 centavos a mais pela gasolina e 86 centavos mais caro pelo diesel se já tivesse sido privatizada. Hoje, a Reman vende a gasolina por 3,79 reais e o diesel a 4,88 o litro.

Na quinta-feira 12, a superintendência-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade, aprovou a venda da Reman ao grupo Atem.

De acordo com o estudo da OSP, a Refinaria Gabriel Passos, em Betim (MG), teria a maior elevação nos preços entre as refinarias privatizadas: passaria a cobrar 4,86 reais pela gasolina, ante os 3,94 praticados atualmente; pelo diesel, cobraria 6,25, em vez de 5,04.

Já o preço mais baixo da gasolina estaria na Refinaria Potiguar Clara Camarão, em Guamaré (RN), com o litro negociado a 4,37 reais, ou 61 centavos a mais do que atualmente. Já a Refinaria Abreu e Lima, em Ipojuca (PE), teria o menor aumento no diesel, de 80 centavos – de 4,80 para 5,60 reais.

Nas alturas

Enquanto isso, o preço da gasolina subiu pela quinta semana seguida, segundo a Agência Nacional do Petróleo.

O valor médio do litro passou de 7,295 reais na semana passada para 7,298 nesta semana, marcando um novo patamar médio recorde no varejo.  Segundo a ANP, o aumento ocorreu na terceira casa decimal do preço da gasolina.  Desde janeiro, o avanço é superior a 9,3% nas bombas.

Já o diesel subiu pela quarta semana seguida, passando de 6,630 para 6,847 reais – também em patamar recorde. É uma alta de 3,27% na semana. No ano, o aumento é superior a 24%.

Segundo a ANP, o preço máximo do diesel encontrado nas bombas chega a 8,300 reais por litro. No caso da gasolina, o valor máximo continua em 8,990 por litro.

CartaCapital

CartaCapital Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.