Economia

Ex-ministro de Dilma, Joaquim Levy é confirmado no BNDES

Assim como Paulo Guedes, ele é doutor pela Universidade de Chicago. Em 2015, o então ministro da Fazenda tentou aplicar um ajuste fiscal

Levy e Dilma
Apoie Siga-nos no

Ex-ministro da Fazenda de Dilma Rousseff, Joaquim Levy assumirá o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), segundo informou a assessoria de imprensa de Paulo Guedes, futuro “superministro” da Economia. 

Leia também:
Qual o saldo da reforma trabalhista e o que esperar com Bolsonaro?
Em que mundo vive Paulo Guedes?

Levy foi ministro de Dilma no primeiro ano do segundo mandato. Ficou marcado por tentar aplicar um ajuste fiscal nas contas públicas, ao cortar quase 70 bilhões de reais do Orçamento em 2015, com o objetivo de atingir o superávit primário de 1,2% do PIB naquele ano. 

O contigenciamento de despesas foi alvo de críticas de eleitores de Dilma e de sindicatos, que não previam o aperto nas contas públicas antes da petista iniciar seu segundo mandato. 

Assim como Guedes, Levy obteve doutorado em Economia pela Universidade de Chicago. Ele ocupava atualmente o cargo de diretor financeiro do Banco Mundial. 

Sua passagem pela gestão de Dilma durou menos de um ano. Apelidado de “mãos de tesoura” pelo campo progressista, deixou o cargo após acumular uma série de derrotas em sua tentativa de aprovar o ajuste fiscal. Favoreceu sua saída e o insucesso de seu pacote de austeridade a aprovação de diversas pautas-bomba encampadas pelo ex-deputado Eduardo Cunha, então presidente da Câmara. 

Após sua saída, em dezembro de 2015, Nelson Barbosa, então ministro do Planejamento, assumiu o posto, que ocupou até o impeachment de Dilma. 

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.