Desemprego sobe e atinge 12,7 milhões de trabalhadores

Esse foi o janeiro menos favorável que os mesmos períodos de 2018 e 2017, revela pesquisa

Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Economia

O desemprego no Brasil aumentou e agora atinge 12,7 milhões de trabalhadores. Foi o que mostrou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta quarta-feira, 27, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Após duas quedas consecutivas, a taxa de desocupação voltou a subir e ficou em 12% no trimestre fechado em janeiro, acima dos 11,7% registrados no período encerrado em outubro. De outubro de 2018 a janeiro de 2019, 318 mil pessoas ficaram desempregadas.

Segundo o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, o trimestre fechado em janeiro foi menos favorável que os mesmos períodos de 2018 e 2017. “Ano passado houve estabilidade na população ocupada e na desocupada, enquanto, neste ano, cresceu o número de desocupados”, afirmou.

Leia também: Militarismo com neoliberalismo, tragédia para a economia

Outro ponto da pesquisa é o aumento de trabalhadores informais no Brasil. “Tivemos queda no contingente de empregados do setor privado e no setor público. No primeiro, isso atingiu, principalmente, os trabalhadores sem carteira assinada. Apesar disso, a informalidade aumenta ainda mais, com influência do crescimento dos trabalhadores por conta própria”, disse Azeredo.

Os números não são bons, mas o coordenador defende que o aumento do desemprego é típico para o primeiro mês do ano. “Com a entrada do mês de janeiro, houve um aumento da taxa de desocupação. É algo sazonal, é comum a taxa aumentar nessa época do ano por causa da diminuição da ocupação”, explicou.

Leia também: Presença inédita de militares na economia pode impactar em reformas

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem