Economia

assine e leia

De olho no mercado continental, startups latinas invadem o Brasil

Empresas como Kavak, RecargaPay e Decolar são atraídas também pelas similaridades com seus mercados nacionais. E por um ambiente de negócios e regulatório mais favorável à tecnologia e à inovação

Acelera. Em outubro, a Kavak atingiu a marca de mil automóveis vendidos por mês no Brasil . No México, país de origem, foram necessários quatro anos para alcançar esse patamar
Acelera. Em outubro, a Kavak atingiu a marca de mil automóveis vendidos por mês no Brasil . No México, país de origem, foram necessários quatro anos para alcançar esse patamar
Apoie Siga-nos no

Bem depois da chegada das pioneiras e hoje bilionárias Mercado Livre (67,7 bilhões de dólares), argentina, em 1999, Nuvemshopp (3,5 bilhões de dólares), também argentina, em 2015, e Rappi (3,5 bilhões de dólares), colombiana, em 2017, uma flotilha de ­startups latino-americanas aproveita a maré alta dos financiamentos via fundos de venture capital para desembarcar nos mercados brasileiros. Elas são atraídas basicamente pelas dimensões continentais do País e pelas similaridades com seus mercados nacionais, tanto quanto por um ambiente de negócios e regulatório mais favorável à tecnologia e à inovação.

Um breve levantamento da consultoria KPMG mostrou que 14 startups latino-americanas com presença ou entrada recente no Brasil realizaram captações de recursos entre 2019 e 2021: as argentinas Digital House, Agrofy, Despegar (­Decolar) e RecargaPay, as mexicanas ­Merama, ­Clara, Grow Mobility (Grin Scooters), K­avak, Bitso, Incode e Casai, a colombiana Adelante/Addi, a chilena ­Notco e a uruguaia DLocal. Sem falar no mega-IPO do colombiano Nubank. “Qualquer empresa que queira realmente crescer na América Latina precisa estar no Brasil”, afirma Roger Laughlin, CEO da Kavak Brasil. “A expansão da Kavak para Argentina e Brasil nos permite competir em um mercado estimado em 180 bilhões de dólares. México, Argentina e Brasil são responsáveis por cerca de 70% do mercado regional de venda de carros usados.”

Cleide Rodriguez
Repórter de Finanças da edição impressa de CartaCapital.

William Salasar
Editor de Finanças em CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.