Economia

Como punir os criminosos da Lava Jato sem destruir as empresas

Um livro discute o futuro de companhias que representam cerca de 15% de todo o investimento nacional

Protesto durante a 13ª rodada de licitações de petróleo e gás da Agência Nacional do Petróleo, em outubro: a cadeia produtiva sente os efeitos da corrupção
Protesto durante a 13ª rodada de licitações de petróleo e gás da Agência Nacional do Petróleo, em outubro: a cadeia produtiva sente os efeitos da corrupção

É possível salvar as 29 construtoras brasileiras fornecedoras da Petrobras envolvidas na Lava Jato sem prejuízo das investigações criminais em curso?

O fato de comporem a cadeia produtiva de óleo e gás, responsável por 10% do Produto Interno Bruto e 15% por cento de todo o investimento do País, justifica a preocupação com o seu resgate, ainda mais depois da projeção de variação negativa de 3% do PIB neste ano. Importantes fornecedoras do Estado, se forem condenadas pela Justiça não poderão mais firmar contratos com o poder público e muitas deverão quebrar. As construtoras implicadas na Lava Jato são também as principais empresas de infraestrutura do País e as maiores exportadoras de serviços de engenharia. A sua falência arrastaria segmentos produtivos inteiros e fecharia milhares de empregos.

Mas há uma saída legal para punir os criminosos sem impor profundos danos à economia, mostra o livro Um plano de ação para o salvamento do projeto nacional de infraestrutura, dos advogados Walfrido Jorge Warde Júnior, Gilberto Bercovici e José Francisco Siqueira Neto.

A proposta inclui um acordo público-privado em que as empresas paguem integralmente as indenizações e multas pelos prejuízos causados à Petrobras e à União com a entrega ao Estado das suas ações em projetos de licitações em que saíram vencedoras, a exemplo da produção de sondas para prospecção de petróleo, usinas e aeroportos.

As ações não ficarão com o Estado, pois em seguida a União e à Petrobrás as venderão em leilão no mercado de capitais e o dinheiro obtido servirá para cobrir os prejuízos provocados pela corrupção.

Os compradores das ações no leilão serão os novos donos dos projetos. Depois de pagar o que devem com as ações, as construtoras poderão voltar ao mercado de concorrências públicas. A proposta prevê supervisão rigorosa de órgãos como o Ministério Público Federal, a Controladoria-Geral da União, o Tribunal de Contas da União e Advocacia-Geral da União.

Um plano de ação para o salvamento do projeto nacional de infraestrutura Livro traz propostas para punir empresasA adoção do plano pelo governo evitaria a substituição em grande escala das empreiteiras por concorrentes estrangeiras, um desfecho que resultaria na quebra de centenas de indústrias locais que são suas fornecedoras e a sua substituição por supridores externos trazidos ao País pelas novas protagonistas.

Na parte de anexos, o livro traz minutas de um decreto-presidencial sugerido à chefe do Executivo,  de uma portaria proposta à AGU e do termo de pagamento. “O volume elevado de investimento público em infraestrutura é importante para a formação da taxa de crescimento e decisivo para a política industrial fundada na formação de redes de produtividade entre as construtoras e seus fornecedores”, destaca o economista Luiz Gonzaga Belluzzo na seção de comentários.

A proposta dos advogados “atende a todos os que têm interesse no progresso e na harmonia da sociedade brasileira”, observa o economista Delfim Netto. O livro inclui também comentários do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e dos professores da Faculdade de Direito da USP Heleno Torres e Modesto Carvalhosa.

A proposta dos advogados percorreu todos os caminhos necessários, recebeu aprovação generalizada, mas estacionou em uma mesa de Brasília. A crise das construtoras e a ameaça da sua extinção, entretanto, avançam com velocidade. 

Serviço

Título: Um plano de ação para o salvamento do projeto nacional de infraestrutura
Autores: Walfrido Jorge Warde Júnior, Gilberto Bercovici e José Francisco Siqueira Neto
Editora: Contracorrente
Tamanho: 113 páginas
Lançamento: dia 12 de novembro, às 18h30, no Shopping JK Iguatemi.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!