…

Com Temer efetivado no poder, houve piora no ritmo de queda do PIB

Economia

Após a divulgação, nesta terça-feira 07, da queda de 3,6% no PIB em 2016, Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, afirmou que a queda na atividade econômica, acumulada em 7,4% ao se considerar também o ano de 2015, é “espelho retrovisor”.

O governo de Michel Temer tem motivos para não querer olhar para trás. Os indicadores dos últimos trimestres indicam que houve piora no ritmo de queda da atividade econômica após a efetivação do peemedebista no poder em agosto de 2016.

Segundo os dados do IBGE, a baixa do PIB registrada no primeiro trimestre de 2016, quando Dilma ainda ocupava a Presidência, foi de 0,6%. Nos três meses seguintes, a queda da atividade econômica foi menor: 0,3%.

Os meses de abril, maio e junho foram marcados pelo processo de afastamento de Dilma e pela posse de Temer como presidente interino, quando o mercado financeiro e os agentes econômicos pareciam convictos de que o afastamento da petista seria suficiente para elevar o nível da atividade econômica no País.

Após Temer ser efetivado na presidência, houve, porém, uma piora ainda mais acentuada no nível da atividade econômica na comparação com os últimos meses do governo Dilma. Segundo o IBGE, houve queda de 0,7% do PIB no terceiro trimestre de 2016 e de 0,9% no quarto. Uma piora acumulada de 1,6%.

PIB

Nos dois últimos trimestres, a queda acumulada no PIB foi de 1,6%

Nos últimos dois anos, a atividade econômica não registrou qualquer variação positiva. O pior período registrado foi no segundo trimestre de 2015, primeiro ano do segundo mandato de Dilma, quando o PIB sofreu uma impressionante queda de 2,2%. O último período a registrar uma variação positiva foi o quarto trimestre de 2014. Naquele ano, o PIB teve um leve crescimento de 0,5%.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem