Economia

Com búlgara à frente, FMI adere ao “comunismo” do papa Francisco

No Vaticano, a diretora-geral do Fundo defendeu colocar economia ‘a serviço das pessoas’

Kristalina Georgieva (Foto: Brendan Smialowski/AFP)
Kristalina Georgieva (Foto: Brendan Smialowski/AFP)
Apoie Siga-nos no

A economista Kristalina Georgieva é desde outubro de 2019 diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI). Jamais alguém de uma nação emergente havia ocupado o cargo. Quando nasceu na Bulgária, em 1953, seu país era comunista. Para o bolsonarismo, certamente é esse o motivo de Kristalina acreditar que “a primeira tarefa é colocar a economia a serviço das pessoas”.

Suas palavras foram pronunciadas dia 5, no Vaticano, no seminário “Novas formas de fraternidade solidária, de inclusão, integração e inovação”, proposto pelo papa Francisco, que os fiéis de Jair Bolsonaro acham “comunista”. Simpósio com foco na América Latina, no qual o papa chamou de “pecado” o corte de impostos para os ricos, os paraísos fiscais e a corrupção das multinacionais.

Para Kristalina, nos últimos 30 anos, o mundo viu alguns avanços “notáveis”, como a queda na mortalidade infantil e a saída da pobreza extrema por parte de 1 bilhão de pessoas. “E, no entanto, a mesma economia projetou sombras escuras”, prosseguiu. Por exemplo: a “desigualdade excessiva”.

Desde 1980, disse ela, o 1% mais rico do planeta embolsou o dobro dos ganhos do crescimento na comparação com o que ficou com os 50% mais pobres. A distância entre os países ricos e aqueles em desenvolvimento tem aumentado. “E, acima de tudo, pense em como a atual estrutura econômica está prejudicando nosso ambiente natural”, comentou Kristalina.

“Então, como podemos levantar essas sombras escuras e trazer mais luz? Como podemos ajudar a criar uma economia a serviço das pessoas?”, perguntou-se a chefe do FMI. Ela apontou três frentes de ação: “crescimento inclusivo”, através de uma “cultura de solidariedade; promoção de “uma globalização da esperança”; e adoção de medidas ambientais para “cuidar de nosso lar comum”.

Ao tratar de “crescimento inclusivo”, Kristalina lembrou que a América Latina vive momentos de agitação social devido à histórica desigualdade econômica. Não citou, mas podia: o Chile, palco de protestos diários desde outubro de 2019, é o terceiro país com a maior concentração de renda do mundo no 1% mais rico. O grupo embolsa 23,7% do PIB, conforme a ONU. O Brasil é vice, 28,3%.

Para a economista, os países latino-americanos precisam proporcionar “bons empregos, serviços públicos confiáveis e redes de proteção mais fortes” a seus povos. E também “investir nas pessoas”, para que elas tenham oportunidades na vida: gastar mais com escolas, na qualidade da educação, na requalificação ao longo da vida, em programas sociais. No Brasil, recorde-se, o governo incentiva o emprego precário e reduziu a proteção social com a reforma da Previdência.

E se há restrições orçamentárias, seguiu Kristalina, é possível elevar a eficiência do gasto público e, no médio prazo, a arrecadação estatal. A OCDE, clube de nações ricas ou simpatizantes, estima que 200 bilhões de dólares deixem de ser arrecadados por ano em nações que não pertencem à entidade (o Brasil quer entrar) por causa de paraísos fiscais e de brechas legais favoráveis a grandes empresas.

É necessário ainda, prosseguiu a economista, “abordar a concentração do mercado que limita a criação de empregos e prejudica os pobres por meio de preços mais altos”. Tradução: enfrentar monopólios e oligopólios. Cabe também “empoderar as mulheres, reduzindo as discriminações no mercado de trabalho”.

No capítulo “globalização da esperança”, Kristalina disse serem necessários a expansão do comércio global e “investimentos ampliados em redes de treinamento e segurança social, para que os trabalhadores possam aprimorar suas habilidades, fazer a transição para empregos de melhor qualidade e ganhar mais”.

Quanto aos desafios ambientais , ressaltou: “são os pobres que geralmente são mais vulneráveis”. E citou uma estimativa do Banco Mundial, onde trabalhou antes de chegar ao FMI: sem mudar o caminho climático atual, 100 milhões de pessoas viverão na extrema pobreza até 2030.

Kristalina Georgieva, mais uma “comunista búlgara” perigosa.

André Barrocal

André Barrocal Repórter especial de CartaCapital em Brasília

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.