Economia

assine e leia

Com a adesão da Argentina, a Nova Rota da Seda chinesa alcança 145 países

O ambicioso projeto de integração expande a influência de Pequim

Anzol. Jinping e Fernández assinaram o termo de adesão da Argentina, que terá acesso a financiamento à infraestrutura e investimentos industriais – Imagem: Ministério do Planejamento/Argentina e Presidência Argentina
Anzol. Jinping e Fernández assinaram o termo de adesão da Argentina, que terá acesso a financiamento à infraestrutura e investimentos industriais – Imagem: Ministério do Planejamento/Argentina e Presidência Argentina
Apoie Siga-nos no

A adesão da Argentina à Nova Rota da Seda, ou Belt and Road Initiative (BRI), o maior programa mundial de investimento estrangeiro em infraestrutura, criado pela China em 2013, marca a expansão, na América Latina, dessa estratégia criada para reconfigurar a geopolítica mundial, segundo vários especialistas. Um encontro entre os presidentes da Argentina, Alberto Fernández, e da China, Xi Jinping, formalizou o ingresso do 21º país latino-americano na BRI. “Não se trata apenas de uma assinatura de contrato, mas de um marco relevante nas relações bilaterais, muito importante para a Argentina, que procura se reorganizar economicamente e reencontrar seu lugar no cenário internacional”, explica o economista Bruno De Conti, professor do Instituto de Economia da Unicamp e pesquisador do Centro de Estudos Brasil-China, da mesma universidade. Não por acaso, diz, a adesão à Nova Rota da Seda foi acompanhada de um conjunto de outras discussões e acordos que visam o estreitamento da relação entre os dois países.

“É importante destacar” – acrescenta De Conti – “que o governo Fernández acaba de vir de uma importante renegociação de suas dívidas com o Fundo Monetário Internacional, mostrando competência para diálogos bem-sucedidos em todos os lados do ordenamento geopolítico atual. Essa história de escolher só um lado é de uma estupidez sem tamanho, algo que só pode ser visto em um governo pequeno e despreparado, como o brasileiro”, dispara o economista.

Carlos Drummond

Carlos Drummond
Editor de Economia da edição impressa de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.