Economia

Cenoura dispara 116% e diesel fica 52% mais caro em 12 meses; veja o que mais subiu

A inflação brasileira é a 4ª maior entre as nações do G20 e a 6ª no continente americano

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Isac Nóbrega/PR
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Isac Nóbrega/PR
Apoie Siga-nos no

O IPCA, considerado o indicador oficial de inflação no Brasil, desacelerou para 0,47% em maio após subir 1,06% em abril. A alta dos preços, porém, continua a castigar o bolso dos brasileiros: em 12 meses, o índice é de 11,73%; no ano, de 4,78%.

Agora, são nove meses consecutivos em que a inflação anual fica acima dos dois dígitos. O acumulado de 12 meses é o maior para maio desde 2003, quando chegou a 17,24%.

Ao divulgar os dados nesta quinta-feira 9, o IBGE destacou a desaceleração do segmento de alimentos e bebidas, que registrou 0,48%, frente à alta de 2,06% em abril.

No acumulado em 12 meses, a inflação dos combustíveis caiu de 33,24% em abril para 29,24% em maio.

Confira alguns dos produtos e serviços que mais subiram nos últimos 12 meses:

  • Cenoura: 116,37%
  • Passagem aérea: 88,65%
  • Abobrinha: 82,12%
  • Pepino: 77,91%
  • Melão: 71,34%
  • Café moído: 67,01%
  • Transporte por aplicativo: 64,31%
  • Tomate: 55,62%
  • Cebola: 48,93%

Veja a alta dos combustíveis em 12 meses:

  • Óleo diesel: 52,27%
  • Gás veicular: 34,79%
  • Gasolina: 28,73%
  • Etanol: 25,31%

Em meio ao avanço dos preços e ao drama econômico que se abate sobre o Brasil, o presidente Jair Bolsonaro insiste na alegação de que os culpados seriam prefeitos, governadores e a guerra na Ucrânia. Embora o mundo sofra com a inflação, é falsa a afirmação de que o movimento seria homogêneo.

Levantamento da Trading Economics, plataforma que reúne e analisa os dados oficiais de quase 200 países, demonstra que a inflação brasileira é a quarta maior entre as nações do G20 e a sexta no continente americano.

No G20, vivem situação pior que a brasileira apenas a Turquia, cuja inflação em 12 meses chega a 73,5% (atualizada em maio), a Argentina (58%, em abril) e a Rússia (17,1%, em maio). O quinto colocado na lista é o Reino Unido, cujo índice de inflação em 12 meses até abril é de 9%.

Ao analisar apenas o continente americano, o ranking demonstra que a inflação mais alta é a da Venezuela, com acumulado em 12 meses – até abril – de 222%. Atrás vêm Suriname (59,8%, em abril), Argentina (58%, em abril), Haiti (23,17%, em fevereiro) e Cuba (23,69%, em abril). Em sexto lugar vem o Brasil, seguido pelo Chile (11,5%, já atualizado em maio).

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.