Economia

Câmara Árabe do Brasil teme perda de negócios por caso Jerusalém

Mais de 10% do superávit de 2017 veio de comércio com países da região, segundo a entidade

Apoie Siga-nos no

No ano passado, a balança comercial entre Brasil e os 22 países árabes gerou receitas de 13,56 bilhões de dólares e um superávit recorde de 7,13 bilhões de dólares, ou seja, pouco mais de 10% de todo superávit comercial brasileiro. O bloco é o quarto maior parceiro comercial do País e o segundo maior destino para as exportações do nosso agronegócio. A decisão, no entanto, anunciada pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, pode afetar esta boa relação.

O alerta foi dado pela Câmara de Comércio Árabe que externou a preocupação ao vice de Bolsonaro, Hamilton Mourão, na terça-feira 18.  “O risco é que crie um ruído na comunicação de compra e venda. Não vai ficar igual, claro que os árabes estão preocupados”, afirmou à CartaCapital Rubens Hannun, presidente da entidade.

Ele disse ter revelado a Mourão o interesse dos países árabes em ampliar o investimento no Brasil, capacitando ainda mais a indústria nacional a se adequar às exigências daquele mercado. O Brasil é o maior exportador do mundo de carnes Halal, ou seja, que segue preceitos da religião muçulmana em termos de abate e com os frigoríficos voltados para a direção de Meca, a cidade sagrada dos muçulmanos. A decisão de Bolsonaro pode botar isso a perder.

O destino de Jerusalém é um dos principais obstáculos para a obtenção de um acordo de paz no Oriente Médio. A cidade é ocupada por Israel desde a guerra de 1967, e tanto palestinos (que controlam a parte oriental) como judeus (que ficam com a metade ocidental) reclamam o direito de fazer dela a sua capital. Por décadas a comunidade internacional concordou em manter suas representações diplomáticas em Tel Aviv, até que um acordo sobre cidade fosse alcançado.

Neste ano, os Estados Unidos liderados pelo presidente Donald Trump romperam o consenso, transferindo a embaixada para Jerusalém. A decisão foi seguida pela Guatemala. Bolsonaro indica que o Brasil fará o mesmo.

A Liga Árabe, maior entidade representativa do bloco, aprovou nesta semana pedido para que o Brasil respeite o “Direito Internacional” e as resoluções “sobre a situação legal da cidade de Jerusalém”. Tudo indica que a pressão árabe sobre o governo brasileiro não irá arrefecer.

Leia também: Ao mudar embaixada para Jerusalém, o Brasil corre risco de isolamento

O premiê israelense Netanyahu também fará uma ofensiva diplomática para que Bolsonaro reconheça Jerusalém como a capital israelense. Ele virá ao Brasil para a posse , no final do ano e ficará cinco dias no País.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) diz acreditar que a decisão do presidente eleito irá conferir “uma dose maior de realismo” às negociações de paz entre árabes e judeus.

CartaCapital

CartaCapital Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.