Economia

Aumento do consumo alavancou investimento na era Lula, aponta estudo

Em artigo, o economista João Sicsú desconstrói tese de que fortalecimento do mercado interno promoveu apenas o endividamento das famílias

Apoie Siga-nos no

Em artigo acadêmico recém-publicado, o economista João Sicsú, professor do Instituto de Economia da UFRJ e colunista de CartaCapital, desconstrói a tese de que os governos Lula devam ser classificados como uma “era do consumo”.

Segundo ele, as medidas para fortalecer o mercado interno tiveram efeito bastante positivo sobre os investimentos no País. O especialista demonstra que, enquanto o aumento do consumo entre 2003 e 2010 foi de 48,2%, os investimentos tiveram alta de 74,3% no mesmo período.

Leia Mais:
A recessão continua para as famílias e para o investimento
As consequências econômicas e sociais do Sr. Temer

Sicsú demonstra que a expansão do consumo culminou principalmente no aumento dos investimentos e na redução do desemprego. O endividamento das famílias, variável muitas vezes vaticinada pelos críticos de Lula como responsável pela recessão e desajuste fiscal posterior, não foi determinante para a desaceleração econômica, defende Sicsú.

Segundo o economista, “analistas da mídia hegemônica no Brasil” e “grande parte do senso comum” atribui aos anos Lula o rótulo de “era do consumo” como uma forma de diminuir as conquistas daquele anos. “São estabelecidas uma hierarquia e uma classificação: o consumo é algo inferior e quase ruim e o investimento é muito bom e superior”. Outra tendência desses grupos é de associar o aumento do consumo ao endividamento das famílias, diz.

Sicsú elenca a política de valorização do salário mínimo, a implantação do crédito consignado, a instituição do Bolsa Família e “a bancarização da população de baixa renda” como “abre-alas” da política de ampliação do consumo por Lula. As intervenções permitiram a ampliação do investimento, como ele demonstra em seguida.

De acordo com a teoria keynesiana clássica, argumenta Sicsú, é o investimento público que puxa o consumo, e não o contrário. Um volume maior de investimentos públicos resultaria em uma rodada de aumento do emprego, do consumo e, posteriormente, do investimento privado. Para Sicsú, como o governo Lula tinha dificuldades em expandir o investimento público, optou por expandir o consumo para movimentar a economia.

O economista demonstra, então, como a expansão do consumo teve impacto sobre a diminuição do desemprego, que caiu mais de 50% entre 2003 e 2010. De acordo com a análise, as medidas adotadas pelo ex-presidente passaram a apresentar “resultados contundentes sobre o investimento a partir de 2006-7”.

leia a íntegra do artigo:

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo