Economia

América Latina

Aliança do Pacífico promete acordo de zona de livre comércio para abril

por Redação Carta Capital — publicado 28/01/2013 09h50, última modificação 28/01/2013 09h50
Até o fim de março, Peru, Chile, Colômbia e México devem acertar os últimos detalhes do novo acordo comercial

Os quatro países integrantes da Aliança do Pacífico, Chile, Colômbia, México e Peru, concordaram em criar uma zona de livre comércio para a qual fecharão um acordo tarifário antes de 31 de março de 2013. O anúncio foi feito oficialmente no domingo 27 pelos presidentes dos quatro países.

O acordo entre os quatro países é amplo, como informou o presidente do Chile, Sebastián Piñera. "Alcançamos acordos muito importantes na Aliança do Pacífico (fundada em junho de 2012). Em primeiro lugar, fechar o acordo tarifário antes de 31 de março de 2013. Pelo menos 90% dos produtos vão ficar liberados de qualquer tipo de tarifa no comércio entre nossos países". "Os 10% restantes (dos produtos) terão um calendário até atingir a meta de 100% de livre comércio entre nossos países", acrescentou Piñera acompanhado dos líderes da Colômbia, Juan Manuel Santos; do Peru, Ollanta Humala; e do México, Enrique Peña Nieto.

"Criamos metas para o primeiro semestre deste ano que é criar mecanismos de acesso a mercados, medidas sanitárias e fitossanitárias, eliminar os obstáculos técnicos ao comércio, facilitar o comércio e estabelecer uma colaboração aduaneira", disse o presidente chileno. Piñera indicou que o México se integrará à bolsa de valores que já reúne Peru, Colômbia e Chile.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, que assumirá a presidência da Aliança no dia 24 de maio em uma cúpula em Cáli, na Colômbia, afirmou que este "é o processo de integração mais importante e profundo da história da América Latina".

Nos dias 19 e 20 de junho será realizada a primeira rodada de negócios com colaboração do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) com grandes e médias empresas, disse Santos. Ele também informou que Japão e Guatemala foram aceitos como observadores, status do qual o Panamá já goza. A Costa Rica pediu para entrar no grupo, assim como a Espanha.

A Aliança do Pacífico, fundada como uma associação comercial por Chile, México, Peru e Colômbia para ampliar seu comércio com a Ásia, ganha espaço como bloco econômico na região e atrai a atenção de Europa e Estados Unidos por sua adesão ao livre comércio.

Com informações da AFP

registrado em: CartaCapital