Economia

assine e leia

A recessão na esquina

Aumentam as chances de estagnação das principais economias europeias nos próximos dois anos

Danos colaterais. As sanções econômicas à Rússia por causa da guerra provocaram efeito dominó na Zona do Euro. A Alemanha é o mais exposto entre os quatro maiores países da região. Só um milagre salva Berlim da recessão - Imagem: Aris Messinis/AFP e Oliver Killig/Volkswagem
Apoie Siga-nos no

Quase seis meses depois que Vladimir Putin ordenou a invasão das tropas russas à Ucrânia, a extensão dos danos à economia europeia fica cada vez mais clara. As luzes vermelhas da recessão piscam. As quatro grandes economias da Zona do Euro – Alemanha, França, Itália e Espanha – tiveram suas previsões de crescimento para 2023 rebaixadas pelo Fundo Monetário Internacional, enquanto a combinação de guerra com taxas de juro mais altas freou a atividade.

No Reino Unido, a inflação está acima de 10% pela primeira vez em 40 anos e as famílias lutam com o aumento das contas de energia. O Banco da Inglaterra prevê que a inflação atingirá um pico acima de 13% no outono, após novo aumento nos custos da energia, enquanto a economia entrará numa recessão prolongada. Na Grã-Bretanha, que enfrenta pressões adicionais do Brexit, também se sente o impacto do aumento dos preços da energia, interrupção na cadeia de suprimentos, escassez de trabalhadores e seca que tem atingido o resto da Europa. Analistas da Economist Intelligence Unit (EIU) dizem que os problemas poderão continuar por algum tempo, pois os países precisam se livrar da dependência dos hidrocarbonetos russos, e construir energias renováveis alternativas levará tempo. “A curto prazo, esperamos uma recessão na Europa no inverno de 2022-23, como resultado da escassez de energia e da alta inflação sustentada”, anotam os especialistas da EIU. “O inverno de 2023-24 também será desafiador e, portanto, esperamos alta inflação e crescimento lento até pelo menos 2024.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo