Economia

assine e leia

A China prestes a ‘quebrar’?

As arapucas da ideologia liberal para os incautos

O Estado controla 96 conglomerados empresariais estatais eficientes e um sistema financeiro público que leva as empresas nacionais a se endividarem em moeda nacional, uma base sólida para combinar a modernização gradual com uma economia regulada pelos marcos sociais - Imagem: iStockhoto e Sungrow Power
O Estado controla 96 conglomerados empresariais estatais eficientes e um sistema financeiro público que leva as empresas nacionais a se endividarem em moeda nacional, uma base sólida para combinar a modernização gradual com uma economia regulada pelos marcos sociais - Imagem: iStockhoto e Sungrow Power
Apoie Siga-nos no

Passava-se a primeira metade da década de 1990 e o “Mundo de Alice” oferecido pelos equilibristas de plantão estava longe de ser entregue. A desregulamentação dos mercados financeiros, a abertura das contas de capitais, privatizações e cortes de direitos sociais não foram substituídos por economias mais dinâmicas nem no centro, muito menos na periferia. Mas os donos da narrativa (e do dinheiro) mantinham-se firmes. Foi uma época em que a crise financeira asiática de 1997 serviu de suporte para que os profetas do “neoinstitucionalismo” e os explicadores das razões dos “fracassos das nações” fossem à ofensiva contra as experiências desenvolvimentistas, a começar da Coreia do Sul. Poucos deram bola ao papel da China na estabilização da situação econômica regional. Mas já era pauta na bolsa de apostas de Londres, não se a China iria quebrar, e sim quando.

Desde então, vêm se multiplicando as capas de revistas e longas entrevistas de “especialistas” explicando por “a” mais “b” o iminente colapso chinês. Essa espécie de narrativa vem se fortalecendo nos últimos anos, quando, por escolha própria, os chineses optaram por taxas menores de crescimento. Essa opção tem explicações. A escolha por crescer “verde”, por investimentos maciços em ciência, tecnologia e inovação e o foco na geração de 13 milhões de empregos urbanos por ano, “doa a quem doer”, foi limpando o terreno de alguns desequilíbrios que o crescimento de dois dígitos carrega em sua natureza. Inclusive, aquele que o presidente Xi Jinping chama de “crescimento descontrolado do capital”.

Luiz Gonzaga Belluzzo

Luiz Gonzaga Belluzzo
Economista e professor, consultor editorial de CartaCapital.

Elias Jabbour

Elias Jabbour
Professor dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Econômicas (PPGCE) e em Relações Internacionais (PPGRI) da UERJ. É autor, com Alberto Gabriele, de “China: o socialismo do século XXI” (Boitempo, 2021)

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.