Diversidade

Trabalho para ‘todes’: plataforma conecta profissionais trans e não-binários a empresas que buscam por diversidade

Plataforma que conecta banco de currículos às vagas de empresas parceiras foi responsável pela contratação de 797 pessoas trans em 2021

Dia Nacional da Visibilidade Trans. Foto: iStock
Dia Nacional da Visibilidade Trans. Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

Para a advogada e empresária Márcia Rocha, 57 anos, o sucesso profissional veio ao custo de esconder sua identidade de gênero durante a adolescência e parte da vida adulta. “Eu era o cara, mas se eu tivesse me assumido com 13 anos talvez eu não fosse nada”, conta ela, que tentou começar o processo de transição aos 13 mas só pode dar continuidade aos 39 anos. “Eu não teria acabado o colegial, não teria feito faculdade, talvez nem estivesse viva.”

Em julho do ano passado, a vida de Keron Ravach, de 13 anos, valeu menos de 50 reais. A jovem trans foi assassinada a pauladas, chutes e socos em Camocim, região Norte do Ceará, ao tentar cobrar uma dívida após um encontro sexual que teve com o assassino, um jovem de 17 anos. Keron foi encontrada morta em um terreno baldio no Bairro Apossados.

Segundo levantamento quantitativo da Associação Nacional de Travestis e Transsexuais, a ANTRA, Keron Ravach é a vítima fatal mais jovem do crime de transfobia e integra o registro de 140 pessoas trans assassinadas no ano de 2021. Esse ciclo de violência afeta principalmente mulheres trans e travestis, para as quais a morte costuma ser o ponto final de uma série de violências anteriores.

Há trezes anos consecutivos, o Brasil é considerado o país onde mais se mata essa população pela ONG Transgender Europe (TGEU), que reportou 375 assassinatos em todo o mundo no ano passado. Em segundo e terceiro lugar no ranking estão, respectivamente, o México e os Estados Unidos.

Márcia Rocha entendeu que a ausência de oportunidades no mercado de trabalho formal pode ser um dos fatores decisivos na perpetuação desse caminho.

Para mudar essa realidade, a empresária convidou a cartunista Laerte Coutinho, a atriz Maitê Schneider e outros ativistas trans para dar vida ao Transempregos, maior plataforma de empregabilidade trans do País. Lançado em 2014, o projeto une um banco de currículos às vagas de empresas parceiras, além de oferecer cursos de formação e auxiliá-las na busca por mais diversidade.

Em 2021, a plataforma recebeu mais de 4.204 vagas e foi responsável pela contratação de 797 profissionais, um aumento de 11% em relação ao ano anterior, mesmo em meio à recessão econômica. Atualmente, o portal conta com mais de 21.477 usuários ativos, um crescimento de quase 300% em relação a 2020, e 1.434 empresas parceiras que oferecem vagas em diversas áreas, principalmente em tecnologia e comunicação.

Ao analisar o crescimento em meio a pandemia e à recessão econômica, Márcia o atribui a três fatores: uma pausa prolongada na contratação em 2020, oportunidades home office e a forma como empresas passaram a enxergar funcionários trans. Segundo a empresária, a ideia de que o funcionário transgênero carrega um baixo grau de escolaridade está sendo derrubada, mas ainda precisa ser combatida.

“A ideia de que pessoas trans não têm qualificação não é verdadeira. Se você pegar nossos números, verá que 38% têm nível superior ou elevado e 58% possuem o ensino médio”. Para Márcia, o discurso de que 90% das pessoas trans têm a prostituição como única fonte de renda é um recorte falso.

Na visão da empresária, a espera até os 18 anos para iniciar legalmente o processo de transição permite que jovens ocupem anteriormente espaços acadêmicos e invistam na formação pessoal. “Existem meninas que se assumem aos 13 ou 15 anos, iniciam a transição por conta e às vezes vão para a rua – a família não aceita. É uma parcela da população que está em extrema vulnerabilidade. Ela é grande, mas não representa a maioria”, conclui.

Marcia pontua ainda que, além do grande número de profissionais trans capacitadas, a fidelidade às organizações tem sido vista como um diferencial. “Nesse mercado volátil, o concorrente vai lá e oferece mais para o seu funcionário com qualificação. Primeiro que, não é toda empresa que vai aceitar uma trans, ainda tem muito preconceito, e em segundo, ela vai valorizar a oportunidade e buscar por estabilidade”.

Homens trans, não-binários e outras expressões de gênero também são destaque na plataforma

Minoria nos recortes de violência e invisibilizados nas maiorias das discussões que pautam a transexualidade, homens trans representam  42,2% do total de currículos recebidos pela plataforma e são maioria no mercado de trabalho.

A Transempregos também possibilita o ingresso de pessoas não-binárias ou que se identificam com outras expressões de gênero no mercado de trabalho que,  ao todo, somam 15% dos candidatos. Segundo a idealizadora da plataforma, a maioria encontra espaço nas áreas de telemarketing, em grandes empresas como  Vivo e Atento. A aparência ‘fora do padrão cis’ ainda é uma barreira para o grupo em outras áreas.

Caio César

Caio César Estagiário de CartaCapital

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.