Diversidade

Mulheres tomam ruas da França em protesto contra violência e feminicídio

“É o maior passo na história da França contra a violência sexista e sexual”, saudou uma das organizadoras da mobilização

Protesto de mulheres contra violência doméstica, sexual e  feminicídio - Foto: DOMINIQUE FAGET/AFP
Protesto de mulheres contra violência doméstica, sexual e feminicídio - Foto: DOMINIQUE FAGET/AFP

Todos os anos na França, 250 mil mulheres são vítimas de violência e a cada dois dias uma mulher é morta por seu cônjuge ou ex-cônjuge. Diante dessa realidade, a organizadora da marcha, Caroline de Haas, e seu coletivo #NousToutes chamam Emmanuel Macron para decretar um plano de emergência.

“Se o Presidente da República não decidir uma mudança radical de política pública, ainda haverá violência em massa em 2020. Portanto, precisamos de € 1 bilhão de extras para combater a violência e precisamos de medidas que mudem fundamentalmente as coisas”, afirma de Haas.

Uma falta “intolerável” de profissionalismo

Entre essas medidas, elas pedem a capacitação de profissionais em contato com mulheres vítimas.

“Somos instruídas a denunciar. Mas, quando as mulheres prestam queixa, às vezes são assassinadas. Temos dezenas, centenas de testemunhos de mulheres vítimas de violência conjugal que chamam a polícia e escutam, dos policiais: ‘senhora, não nos movemos por uma vassoura quebrada’. É intolerável essa falta de profissionalismo. E não é culpa da polícia e dos policiais, é porque eles não são treinados para detectar a violência e intervir urgentemente”, diz a organizadora da marcha

O coletivo também pede a criação de um certificado obrigatório de não-violência para estudantes do ensino médio, o estabelecimento de tribunais especializados e o fortalecimento de todos os dispositivos existentes.

Participação brasileira

Muitas brasileiras radicadas em Paris, pertencentes a diversos grupos feministas ou mesmo por iniciativa própria, participam da marcha.

Uma delas é Andrea Clemente, líder do Grupô Mulheres do Brasil. Ela falou à RFI diretamente da Praça da Ópera, onde a multidão se concentrou, antes de marchar em direção à Praça da Nação.

“Para nós, do Grupo Mulheres, fazer parte desta marcha é de vital importância. A causa da violência contra a mulher é uma das nossas principais bandeiras no Brasil e no mundo. No Brasil, vai ter uma grande marcha no dia 8 de dezembro e, aqui, nós nos unimos à França nesta marcha de hoje”, diz.

Manifestação “histórica”

“Agressor, perseguidor, você está ferrado, as mulheres estão na rua”: dezenas de milhares de pessoas desfilaram neste sábado por toda a França para dizer “parem” a violência sexual, numa manifestação que já é considerada “histórica”.

Trinta marchas organizadas na França reuniram “150 mil pessoas”, incluindo “100 mil em Paris”, de acordo com o coletivo feminista #NousToutes. Já o escritório da ONG independente Occurrence contabilizou 49 mil manifestantes na capital durante uma contagem para a imprensa francesa.

“Este é o maior passo na história da França contra a violência sexista e sexual”, saudou uma das organizadoras, Caroline De Haas, em uma mensagem para a mídia.

Neste sábado, a polícia ou as prefeituras contaram ainda 5.500 manifestantes em Lyon, 2.000 em Bordeaux, e cerca de 1.650 em Estrasburgo. Em Paris, por trás da faixa presidida pela União Nacional das Famílias vítimas do Feminicídio (UNFF), várias pessoas estavam carregando cartazes exibindo a foto de sua amada morta pela violência sexual e sexista contra mulheres.

Desde o início de 2019, pelo menos 116 mulheres foram mortas por seus cônjuges ou ex-cônjuges na França, segundo uma contagem e um estudo caso a caso realizado pela agência AFP. Ao longo de 2018, o número chegou a 121 vítimas do sexo feminino, segundo o Ministério do Interior da França.

“Em 32 feminicídios, é Natal”, podia ser lido em um cartaz irônico no protesto de Paris, composta por mulheres em sua maioria, mas também por homens. A atmosfera era festiva e dinâmica.

Uma grande faixa erguida contra uma “justiça cúmplice”, enquanto uma multidão de cartazes proclamava: “estupro”, “feminicídios, nem mais”, “quebre o silêncio, não as mulheres” ou” Para mulheres assassinadas, pátria indiferente “.

Quase 70 organizações (planejamento familiar, CGT, CFDT, EELV, LFI, PS, Unef, PCF, SOS Homofobia) e muitas personalidades francesas se juntaram ao desfile em Paris. Entre elas, as atrizes Muriel Robin, Alexandra Lamy, Julie Gayet, Sandrine Bonnaire e Eva Darlan, ou Vincent Trintignant – o irmão de Marie, morto pelo célebre cantor Bertrand Cantat, em 2003.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!