Diversidade

Após comentário preconceituoso de Patrícia Abravanel, SBT lança campanha contra a LGBTfobia

Em um programa da emissora, ela questionou a ‘cultura de cancelamento’ e insinuou que pessoas LGBT+ devem ser mais tolerantes com o preconceito

Patrícia Abravanel no programa 'Vem pra cá'. Foto: Reprodução / Redes sociais
Patrícia Abravanel no programa 'Vem pra cá'. Foto: Reprodução / Redes sociais

Desde o início deste mês, a emissora SBT tem exibido na programação uma campanha sobre a importância de combater a LGBTfobia.

A iniciativa acontece meses depois de a apresentadora Patrícia Abravanel, filha do fundador Silvio Santos, que também participa do vídeo, minimizar um episódio de homofobia envolvendo o ator Caio Castro e a ex-BBB Rafa Kalimann.

Em maio de 2021, o ator e a finalista do BBB 20 foram criticados por compartilhar vídeo que o pastor Cláudio Duarte diz não ser “a favor do relacionamento” entre pessoas do mesmo sexo.

Ao comentar o caso em um programa da emissora, Patrícia questionou a ‘cultura de cancelamento’ e insinuou que pessoas LGBT+ devem ser mais tolerantes com o preconceito. “Acredito que nós, mais velhos, e nós que fomos educados por pais mais conservadores, a gente está aprendendo, a gente está se abrindo, mas eu acho que é um direito também das pessoas respeitarem [o preconceito]. Por que não concordar em discordar?”, questionou. “Então, assim como ‘LGBDTYH’, não sei, querem respeito, eu acredito que eles têm que ser mais compreensivos.

Além de duramente criticada nas redes sociais, a postura da filha de Silvio Santos foi denunciada à Secretaria de Justiça de São Paulo pela Associação Brasileira de Mulheres Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABMLBTI), por meio de uma ação administrativa.

Nesta terça-feira 11, a advogada e integrante da ABMLBTI Marina Ganzarolli, comemorou a divulgação da campanha. Em postagem no Instagram, ela afirmou que ‘o SBT, com a obrigatória participação de Patrícia, foi obrigado a reproduzir em sua programação durante todo o mês de janeiro de 2022, campanha publicitária educativa contra a LBGTfobia’. Posteriormente, a informação foi retirada da publicação.

Ao colunista da UOL Maurício Stycer, porém, o SBT nega que tenha sido condenado ou obrigado a exibir a campanha. A emissora também reforça que Patrícia não foi obrigada a participar e que o vídeo partiu de uma programação do Comitê de Diversidade do grupo.

A advogada que moveu a ação pela Associação, Luanda Pires, confirmou ao UOL que não houve condenação ao SBT, mas que a divulgação da campanha é resultante de um “acordo”, assinado pelos advogados da emissora, de Patrícia Abravanel e pela ABMLBTI. O acordo, assinado ainda em 2021, segue em sigilo de justiça.

Em nota, a Associação reforça que construiu a peça publicitária junto com o SBT, mas que a campanha não acontece por determinação ou condenação judicial.

Assista ao vídeo da campanha:

width="560" height="315" frameborder="0" allowfullscreen="allowfullscreen">

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!