Cultura

Spotify remove músicas de Neil Young após ultimato do artista por desinformação sobre Covid

O lendário artista publicou uma carta aberta acusando a plataforma de “propagar informações falsas sobre vacinas, potencialmente causando a morte daqueles que acreditam”

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Neil Young conseguiu que o Spotify retirasse suas músicas após o ultimato que lançou para que a plataforma escolhesse entre ele ou Joe Rogan, o polêmico podcaster acusado de espalhar desinformação sobre a Covid-19.

O lendário artista por trás de sucessos como “Heart of Gold” e “Harvest Moon” publicou uma carta aberta esta semana acusando a plataforma de streaming de “propagar informações falsas sobre vacinas, potencialmente causando a morte daqueles que acreditam”, ao disponibilizar os podcasts de Rogan para milhões de ouvintes.

Na quarta-feira, ele postou uma segunda mensagem em seu site, agradecendo à gravadora Reprise Records, da Warner, por seu apoio “em nome da verdade”. No texto, afirma que o Spotify gera 60% de sua renda musical.

Ainda assim, pensa que o boicote vale a pena. “Mentiras são vendidas por dinheiro”, escreveu. “Percebi que não poderia continuar apoiando a desinformação do Spotify, que representa um risco à saúde entre os amantes da música.”

A remoção da discografia de Young deve ocorrer na noite desta quarta-feira, de acordo com o The Wall Street Journal. Ele tinha na plataforma 2,4 milhões de seguidores e mais de 6 milhões de ouvintes mensais.

Rogan tem um acordo exclusivo de vários anos com o Spotify, no valor de 100 milhões de dólares, segundo relatos, além de um enorme número de seguidores.

Críticos dizem que seu podcast é um foco de teorias da conspiração e informações falsas, em especial sobre a pandemia. O apresentador desencoraja jovens a se vacinarem e defende o uso de Ivermectina, um remédio antiparasitário, para tratar o vírus.

Em um comunicado, a empresa declarou nesta quarta-feira que “todos queremos que todo o conteúdo de música e áudio do mundo esteja disponível para os usuários do Spotify. Com isso, vem a grande responsabilidade de equilibrar a segurança para os ouvintes e a liberdade para os criadores”.

O streaming apontou ainda que tem “políticas de conteúdo detalhadas” e já removeu “mais de 20 mil episódios de podcast relacionados à covid desde o início da pandemia”. Por fim, lamentou a decisão de Young e disse que “espera recebê-lo de volta em breve”.

Em dezembro, uma carta aberta de 270 médicos e professores ao Spotify pediu à empresa que “moderasse a desinformação em sua plataforma”.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.