…

Sem a ambição do contato

Cultura

O lado esquerdo que faz da Praça Roosevelt referência para o teatro paulistano, com várias companhias vizinhas de porta, abre seu mais novo espaço cênico, no mezanino do prédio da SP Escola de Teatro, estadual. Uma proposta inovadora seria o mínimo a esperar, e ela chega com a Cia. Balagan e a peça Recusa, dramaturgia de Luís Alberto de Abreu. Diretora do grupo, Maria Thaís imprimiu ao projeto os contornos de seu aprendizado direto com dois herdeiros de Constantin Stanislavski (1863-1938): os também russos Iuri Alschitz e Anatol Vassiliev.

No espírito desse sistema de interpretação, que amalgama às técnicas de palco a própria vivência dos atores, Eduardo Okamoto e Antonio Salvador passaram quatro anos a estudar, com a diretora, as culturas indígenas brasileiras, em viagens e pesquisas às quais contribuíram, entre outros, a compositora Marlui Miranda. O ponto de partida foi uma notícia de jornal de 2008, sobre dois indivíduos piripkura, os últimos de sua etnia, doentes e em recusa sistemática de contato com os brancos. “Recusa” também é palavra do vocabulário libertário do filósofo La Boétie, da poeta Marina Tsvetaieva, do teatrólogo Meyerhold – o mais radical discípulo de Stanislavski – e do antropólogo Pierre Clastres, todos esses referências alinhavadas na peça.

Pleno da espantosa entrega de seus atores, o espetáculo de narrativa não linear se ampara em econômicos recursos cenográficos desenhados por Márcio Medina, também fundador do grupo. Às lendas sul-americanas de criação do mundo a Balagan oferece ainda, até dezembro, o contraponto de Prometheus (2011), com fundo mitológico grego.

Recusa


Cia. Teatro Balagan


Até 16 de dezembro


SP Escola de Teatro

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem
…

Sem a ambição do contato

Cultura

O lado esquerdo que faz da Praça Roosevelt referência para o teatro paulistano, com várias companhias vizinhas de porta, abre seu mais novo espaço cênico, no mezanino do prédio da SP Escola de Teatro, estadual. Uma proposta inovadora seria o mínimo a esperar, e ela chega com a Cia. Balagan e a peça Recusa, dramaturgia de Luís Alberto de Abreu. Diretora do grupo, Maria Thaís imprimiu ao projeto os contornos de seu aprendizado direto com dois herdeiros de Constantin Stanislavski (1863-1938): os também russos Iuri Alschitz e Anatol Vassiliev.

No espírito desse sistema de interpretação, que amalgama às técnicas de palco a própria vivência dos atores, Eduardo Okamoto e Antonio Salvador passaram quatro anos a estudar, com a diretora, as culturas indígenas brasileiras, em viagens e pesquisas às quais contribuíram, entre outros, a compositora Marlui Miranda. O ponto de partida foi uma notícia de jornal de 2008, sobre dois indivíduos piripkura, os últimos de sua etnia, doentes e em recusa sistemática de contato com os brancos. “Recusa” também é palavra do vocabulário libertário do filósofo La Boétie, da poeta Marina Tsvetaieva, do teatrólogo Meyerhold – o mais radical discípulo de Stanislavski – e do antropólogo Pierre Clastres, todos esses referências alinhavadas na peça.

Pleno da espantosa entrega de seus atores, o espetáculo de narrativa não linear se ampara em econômicos recursos cenográficos desenhados por Márcio Medina, também fundador do grupo. Às lendas sul-americanas de criação do mundo a Balagan oferece ainda, até dezembro, o contraponto de Prometheus (2011), com fundo mitológico grego.

Recusa


Cia. Teatro Balagan


Até 16 de dezembro


SP Escola de Teatro

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem