Rainha do samba junino, trans Pokett Nery tem vida retratada em curta

Documentário recém-lançado conta a história de uma das dançarinas mais conhecidas da tradição junina da capital baiana

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Cultura

Patrimônio Cultural Imaterial de Salvador, o samba junino, promovido em alguns bairros tradicionais nesta época do ano na capital baiana, tem a levada do samba duro como o principal ritmo do festejo. E uma das principais protagonistas desse acontecimento é a dançarina trans Pokett Nery.

Ela tem agora sua trajetória contada no curta-metragem (25 min) Pokett Nery – Rainha do Samba Junino, com produção da Obá Cacauê e viabilizado pela Lei Aldir Blanc. No documentário, a dançarina conta a sua vida de luta, mostra os preparativos para participar como destaque no samba junino e fala de sua relação com a manifestação popular.

Pokett Nery convive com o universo LGBTQIA+ e isso é também retratado no curta-metragem disponível no Youtube. Moradora de uma das comunidades da região central de Salvador, ela tornou-se uma referência na cidade como dançarina do samba duro, o ritmo com percussão, violão e batida na palma da mão representado no samba junino, que é uma manifestação popular soteropolitana surgida há cerca de 50 anos, vinculada aos bairros mais antigos da cidade.

A origem do samba junino tem ligação com a religiosidade de Salvador, notadamente as casas de candomblé, onde no seu entorno a festividade surgiu. A manifestação se realiza entre a Semana Santa e o início de julho.

O samba duro, ritmo do samba junino, é um derivado do secular samba de roda do Recôncavo Baiano. O gênero musical (samba duro) é considerado uma das matrizes sonoras do que se convencionou chamar genericamente de axé music.

O documentário de Pokett Nery tem relevância por mostrar a confluência da diversidade com as raízes musicais. Apresentar (e valorizar) personagens que vivenciam as tradições, independente do gênero, contrapõe à cultura massificada.

Assista:

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Jornalista há 25 anos, com passagem em diversas editorias. Foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Compartilhar postagem