Cultura

Primeira mulher negra a ganhar o APCA de direção: “Vergonhoso”

Peça contra história de um menino negro que corre para não ser baleado pela polícia e, inesperadamente, começa a visitar outros países

Naruna Costa foi a primeira mulher negra a ganhar o prêmio da APCA  (Associação Paulista de Críticos de Arte) na categoria de Melhor Direção. A obra homenageada é a peça Buraquinhos ou o Vento É Inimigo do Picumã, que utiliza elementos do realismo fantástico, aborda temas como racismo e diversidade cultural e estará novamente em cartaz nos próximos dias 9 a 12 de julho, no Itaú Cultural, em São Paulo.

“A princípio eu nem poderia dirigir, estava cheia de coisa. Mas quando li o texto me senti contemplada e verdadeiramente autorizada a participar”, conta Costa ao relembrar sua trajetória de inserção no projeto, que teve início no ano passado. O roteiro, escrito por Jhonny Salaberg, consiste na história de um menino negro, da periferia de Guaianazes, que corre para não ser baleado pela polícia e, inesperadamente, começa a visitar países da África e América Latina.

“Com os quase 30 anos [da APCA], é vergonhoso saber que nenhuma diretora negra havia ganhado”, afirma Naruna Costa.

Foto: Alessandra Nohvais

Naruna Costa explica que o espetáculo é sutil, lúdico e a narrativa se passa dentro da cabeça de uma criança que está delirando ao morrer, retratando, assim, o genocídio negro vigente no País.”É o bonito tratando do terrível”, define. Para a diretora, o teatro tem uma potência muito forte para dialogar com todos os problemas sociais, através de várias frentes. “Se propor a duas horas de teatro é se propor a duas horas de reflexão.” A obra também fez Jhonny Salaberg ganhar o prêmio de Melhor Dramaturgia na cerimônia da APCA.

Latões de ferro, escorregador, gira-gira e outros objetos ganham novos significados na narrativa não clássica. Foto: João Silva

O momento atual da política brasileira, segundo Costa, revela “uma contradição interessante”, pois funciona também como uma tentativa de barrar os avanços de minorias sociais. Por isso, sua intenção na música e no teatro é justamente tentar unir o ofício da luta às demandas que tanto a angustia.

Serviço

-09 a 12 de julho de 2019
-Terça à sexta-feira às 19h
-Entrada gratuita
-Ingressos distribuídos 1 hora antes
-Itaú Cultural: Avenida Paulista, 149, São Paulo
-Público preferencial: com direito a um acompanhante – ingressos liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante
-Capacidade: 70 lugares
-Duração: 90 minutos
-Classificação indicativa: 14 anos
-Com interpretação em Libras

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!