Cultura

Na Berlinale, documentário sobre Amazônia questiona hidrelétricas

“O Reflexo do Lago” faz parte da seleção Panorama do Festival. O filme conta a história da construção da hidrelétrica de Tucuruí, no Pará

O cineasta paraense Fernando Segtowick estreia seu primeiro longa, “O Reflexo do Lago”, na Berlinale. Foto: RFI
O cineasta paraense Fernando Segtowick estreia seu primeiro longa, “O Reflexo do Lago”, na Berlinale. Foto: RFI

O documentário “O Reflexo do Lago”, de Fernando Segtowick, faz parte da seleção Panorama, uma das principais mostras do Festival de Cinema de Berlim. O filme, que conta a história da construção da hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, é um alerta sobre as ações do homem na Amazônia e seu impacto no mundo. “Vivemos todos no mesmo planeta”, lança o diretor em entrevista exclusiva à RFI na capital alemã, pouco antes da estreia na 70ª edição da Berlinale.

Viver à base de lamparina como principal fonte de luz, ao mesmo tempo que se mora ao lado de uma usina que gera eletricidade para boa parte do país. Esse é apenas um dos paradoxos mostrados no documentário de Segtowick, diretor paraense que estreia seu primeiro longa.

O projeto se inspirou do livro de fotografia “O Lago do Esquecimento”, de Paula Sampaio, no qual a Amazônia é imortalizada em preto e branco, uma escolha estética que o diretor decidiu manter em seu documentário. O resultado é um filme atemporal e, ao mesmo tempo, contemporâneo.

 

Em um momento em que se fala tanto da Amazônia dentro e fora do Brasil, principalmente após as imagens dos incêndios gigantescos que deram a volta ao mundo no ano passado, “O Reflexo do Lago”, uso o caso da barragem construída nos anos 1980 como exemplo do impacto negativo na paisagem, mas também na vida das pessoas. “Os moradores dessa região são o grande reflexo do que é a construção de grandes projetos na Amazônia”, avaliao diretor.

Repetir os mesmos erros?

Segtowick estima que a hidrelétrica paraense levanta questões sobre as políticas de desenvolvimento nessa região do país. “O que a gente aprendeu de Tucuruí? Será que estamos repetindo os mesmos erros? Como contemplar todo mundo com os benefícios desses projetos? ”, enumera o diretor.

Para ele, um dos grandes problemas é a falta de empatia com as pessoas que moram na região. “Se continuarmos a olhar para a Amazônia como um lugar para ser explorado e conquistado, como desde os anos 1940, desde Getúlio Vargas, sem olharmos os que já estão ali e as características da região, continuaremos provocando os mesmos erros”, avalia.

O diretor concorda que seu documentário traz “mais perguntas do que respostas”, mas considera que a presença na Berlinale pode ajudar na conscientização de que a questão amazônica diz respeito a todos, e não apenas aos brasileiros. “As pessoas que consomem produtos do Brasil também têm uma responsabilidade”, lança, martelando que uma das principais indagações do filme é “em que planeta queremos viver?”

“Morando nas cidades, ficamos muito desconectados da natureza. E eu provoco essa reflexão, mostrando que vivemos em um lugar só. Estrear o filme aqui é provocar para essa plateia internacional, superqualificada, que a gente precisa dar conta de muitas coisas nesse planeta, pois não temos outro”, finaliza.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!