Jonathan Swift em escárnio japonês

Cultura

O autor de As Viagens de Gulliver e A Arte da Mentira Política iniciara 14 anos antes essas orientações de ironia corrosiva a cavalariços, mordomos, cozinheiros etc., entre 16 tipos de serventes de uma casa grande.

Em 1978, o diretor da vanguarda teatral japonesa Shuji Terayama (1935-1983) imaginou um festim em que esses criados vestem-se e comportam-se como os patrões, em sua ausência, subvertendo as regras de Swift.

Inspirado no “teatro total” dos gêneros tradicionais nô e kabuki, o diretor concebeu uma ópera de feições contemporâneas, com dança, rock, artes marciais, mascaradas, circo, vídeo, performance etc.

Os discípulos do multiartista Terayama fundaram o grupo Ban’yu Inryoku e recriaram a sua concepção de 1978 para a obra de Swift, agora apresentada com 24 atores e músicos.

A raridade integra as comemorações dos 120 Anos do Tratado de Amizade Brasil-Japão.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem