Cultura

Francisco, el Hombre se volta à sua ‘bolha’ e grava álbum maduro

Banda apresenta terceiro disco com canções bem trabalhadas, várias participações e se firma no cenário musical independente

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

No início da produção do terceiro álbum da banda Francisco, el Hombre, mais de 50 canções foram apresentadas e interagidas com os cinco membros do grupo . Eram composições em diferentes estágios, postas ali, para uma resolução final.

Da imersão, saiu o disco mais Francisco, el Hombre de todos. “A gente ficava sempre querendo furar a nossa bolha, fazer uma música que se comunicasse com todo mundo. Neste disco, resolvemos atender a galera que vai ao nosso show. Resolvemos nos comunicar com a nossa bolha, especificamente”, diz Mateo Piracés-Ugarte, membro da banda.

“E começamos a imaginar os arranjos com os instrumentos que a gente usa. Parar de pensar para fora do que a gente toca. Pensamos numa musicalidade que só a gente poderia fazer mesmo”.

O resultado foi o disco Casa Francisco. Trata-se de um trabalho maduro, bem executado e que firma a banda no cenário musical independente.

Das dez faixas, duas são em espanhol. No disco, a banda ressalta a sua ascendência latino-americana. As participações também apontam a solidificação do grupo: a baiana Josyara, a paraense Dona Onete, o carioca Rubel, a paulistana Céu e o grupo catalão La Pegatina.

As sonoridades do disco são variadas e expressam a riqueza musical da banda. E a naturalidade com que letras, melodias e arranjos saem demonstra coesão com o propósito do grupo. A última faixa do disco, Nada Conterá a Primavera, é uma referência ao MST, movimento com o qual o grupo mantém contatos permanentes.

Além de Mateo Piracés-Ugarte, Francisco, el Hombre é integrado por Juliana Strassacapa, Sebastianismos e Andrei Martinez Kozyreff e Helena Papini. Casa Francisco foi lançado com o auxílio do 4º Edital de Apoio à Criação Artística – Linguagem Música – Secretaria Municipal de Cultura.

O disco é, por certo, um dos melhores do ano para se ouvir. As canções fluem e se completam com uma agradável riqueza sonora. Quando a última música toca, a vontade é de recomeçar a ouvir o álbum.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!