Cultura

assine e leia

Estranhamente autêntico

Depois de dois filmes baratos e cults, Robert Eggers recebe um cheque gordo de Hollywood para fazer um conto de vingança viking

O Homem do Norte, terceiro longa-metragem do cineasta de 38 anos, tem sangue, músculos e um elenco brilhante liderado por Alexander Skarsgård - Imagem: Larry Busacca/AFP e Universal/Focus
O Homem do Norte, terceiro longa-metragem do cineasta de 38 anos, tem sangue, músculos e um elenco brilhante liderado por Alexander Skarsgård - Imagem: Larry Busacca/AFP e Universal/Focus
Apoie Siga-nos no

Em seu primeiro filme, A Bruxa­ (2105), que custou 4 milhões de dólares e foi sensação no Festival Sundance, Robert Eggers mostrou a batalha humana entre o puritanismo e o ocultismo na Nova Inglaterra no século XVII. Ele seguiu com O Farol (2019), um pesadelo de sobrevivência surrealista, embebido em maresia, masculinidade tóxica, piadas de peido e socos em polvo. É o tipo de produção que se encaixa à perfeição nos cultos autorais, mas que, geralmente, não inspira os estúdios de Hollywood a dar ao diretor um cheque gordo para criar um sucesso de bilheteria.

O Homem do Norte, o enorme, amalucado e emocionante terceiro longa-metragem de Eggers, em cartaz nos cinemas do Brasil a partir da quinta-feira 12, foi feito pelo preço de várias Bruxas e Faróis. Trata-se de um brutal conto de vingança viking, enraizado na lenda escandinava de Amleth, no qual Eggers aumenta significativamente sua aposta na ação – algo anteriormente presente apenas na luta homoerótica entre os dois faroleiros enlouquecidos vividos por Robert Pattinson e Willem Dafoe.

Guy Lodge

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.