Cultura

Entre a utopia e a distopia

O potente romance Tchevengur, de 1920, investiga as contradições e os avanços de uma sociedade comunista

A edição brasileira tem ilustrações de Svetlana Filipova
A edição brasileira tem ilustrações de Svetlana Filipova

Tchevengur acordava tarde, seus habitantes descansavam de séculos de opressão sem conseguir descansar completamente. A revolução havia conquistado sonhos para o distrito de Tchevengur e feito da alma a principal profissão”, comenta o narrador do romance de Andrei Platônov que enfim ganha uma tradução brasileira, assinada por Maria Vragova e Graziela Schneider.

Escrito no fim dos anos 1920, ­Tchevengur só foi publicado na íntegra em 1978, em inglês, e, na União Soviética, em 1988. Na obra, Platônov – que morreu em 1951, sem nunca ter visto seu livro publicado – investiga, às vezes de forma satírica, muitas vezes de forma melancólica, as possibilidades de uma utopia comunista.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!