Cultura

Em posse, Regina Duarte cita Chico Buarque e fala em pacificação

Com discurso repleto de pausas dramáticas e gestual, Regina lembrou que recebeu carta branca do presidente Bolsonaro ao assumir a pasta

Regina Duarte abraça Jair Bolsonaro ao tomar posse como secretária Especial da Cultura (Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil)
Regina Duarte abraça Jair Bolsonaro ao tomar posse como secretária Especial da Cultura (Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil)
Apoie Siga-nos no

A atriz Regina Duarte tomou posse nesta quarta-feira 4 como a nova secretária Especial da Cultura do governo federal com um discurso de pacificação. “Meu propósito aqui é pacificação e diálogo permanente com o setor cultural, com estados e municípios, com o parlamento e com os órgãos de controle”, disse.

Mas o caminho da ex-global não dá sinais de que será suave. Um dia antes da posse, Regina entrou na mira do escritor Olavo de Carvalho, que sugeriu à atriz a desistência do cargo. O guru não gostou de saber que a nova secretária dispensou os “olavetes” da equipe.

Numa rede social, o filósofo chegou a sugerir que a atriz desistisse do cargo. “Se a Regina Duarte quer mesmo se livrar de indicados do Olavo de Carvalho, a pessoa principal que ela teria de botar para fora do Ministério seria ela mesma”, escreveu.

Nesta quarta-feira 4, seis integrantes que atuavam em segmentos da pasta da Cultura foram exonerados, entre eles Dante Mantovani, que estava à frente da Fundação Nacional das Artes (Funarte) e ficou conhecido por falar que rock estava ligado ao satanismo.

Os outros exonerados são Paulo Cesar Brasil, presidente do Instituto Brasileiro de Museus; Reynaldo Campanatti Pereira, secretário da Economia Criativa; Rodrigo Junqueira, secretário de Difusão e Infraestrutura Cultural; Camilo Calandreli, secretário de Fomento e Incentivo à Cultura; e Marcos Villaça Azevedo, secretário de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual.

Chico Buarque

A cerimônia teve pouco prestígio da classe artística. As atrizes Maria Paula, que por vários anos integrou o elenco do humorístico Casseta & Planeta Urgente, e Rosamaria Murtinho estavam entre os pouco artistas presentes na posse.

Ao agradecer o apoio do general Luiz Eduardo Ramos, ministro da secretaria de Governo, para assumir a secretaria, Regina citou um trecho da letra de Samba de Orly, de Chico Buarque, desafeto declarado do governo Bolsonaro. “Tive muito incentivo do tipo vai, vai lá, segura essa pra gente, antes que um aventureiro lance mão”, disse Regina.

Na letra, Chico Buarque escreve “Vai meu irmão pega esse avião / Você tem razão / De correr assim desse frio / Mas beija meu Rio de Janeiro / Antes que um aventureiro / Lance mão”.

Em discurso repleto de pausas dramáticas, gestual e risadas, Regina lembrou que recebeu carta branca do presidente Jair Bolsonaro para assumir a pasta. “O convite que me trouxe até aqui foi de ‘porteira fechada’ e ‘carta branca’. Foi com esses argumentos que eu me estimulei para trazer uma equipe para colocar a mão na massa”, disse.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.