Cultura

Em ‘A Mulher de Um Espião’, o medo é construído de forma sorrateira

Kiyoshi Kurosawa arma uma narrativa apropriada para atrair quem não gosta de terror

O filme, que estreará nos cinemas, ganhou o prêmio de Melhor Direção no Festival de Veneza - Imagem: Zeta Filmes
O filme, que estreará nos cinemas, ganhou o prêmio de Melhor Direção no Festival de Veneza - Imagem: Zeta Filmes
Apoie Siga-nos no

Kurosawa, o Akira, é até hoje sinônimo de cinema japonês. ­Outro Kurosawa, o Kiyoshi, é menos conhecido, apesar de filmar histórias mais conectadas com o que, por puro vício, ainda chamamos de realidade.

A Mulher de Um Espião, vencedor do prêmio de Melhor Direção no Festival de Veneza de 2020, chega aos cinemas brasileiros na quinta-feira 31 e é uma entrada mais convencional ao universo elaborado de Kurosawa.

Ambientado no período pré-Segunda Guerra Mundial, o drama histórico é protagonizado por um casal burguês de ­Kobe que desafia o poder crescente das forças fascistas.

Ela ironiza a imposição de roupas tradicionais às mulheres. Também não demonstra se preocupar com o que vão dizer ao convidar um colega da juventude para visitá-la, enquanto o marido está viajando.

Ele, por sua vez, é um empresário liberal que desafia o nacionalismo e o militarismo, mantendo relações com clientes ocidentais e protegendo um jovem pacifista.

Durante uma viagem de negócios à Manchúria, sob ocupação japonesa, o marido fica sabendo que o exército utilizou armas biológicas contra civis. A descoberta leva-o a tomar um rumo que o converte em traidor. Isso tudo enquanto a esposa suspeita que ele a trai.

A descrição assim, limitada à trama, elimina o aspecto mais fascinante do cinema de Kurosawa: a reflexão que o cineasta faz sobre as imagens, ou melhor, sobre como enxergamos o que os olhos veem.

Os filmes de Kurosawa são povoados por duplos, assombrações e espectros, elementos que fizeram dele um nome mais conhecido por fãs do cinema de terror.

A ficção fantástica deu ao cineasta liberdade para especular sobre a supressão da materialidade, a dependência crescente da tecnologia e sobre como isso nos tornou incapazes de distinguir fatos de ficções.

Embora não utilize os elementos sobrenaturais que consolidaram seu renome, Kurosawa constrói em A Mulher de Um Espião uma narrativa mais sorrateira, apropriada para atrair quem tem pavor de filmes de terror.

Ele contorna as obviedades do cinema histórico, evitando, por exemplo, retratar o fascismo por meio de cenas que visam provocar aversão moral ou choque. Há uma tortura, mas o filme não a exibe.

No lugar do terror, A Mulher de Um Espião espalha o medo na forma banal de suspeitas, duplicidades e traições. A imagem, aqui objetificada em um rolo de filme, pode revelar segredos tanto quanto esconder e trapacear.

No mundo dominado pela pós-verdade, não surpreende que as ficções escorregadias de Kurosawa tenham se tornado realistas. E isso não é pouco assustador.•

PUBLICADO NA EDIÇÃO Nº 1201 DE CARTACAPITAL, EM 30 DE MARÇO DE 2022.

Este texto aparece na edição impressa de CartaCapital sob o título “O medo construído de forma sorrateira”

Cássio Starling Carlos

Cássio Starling Carlos
Crítico de cinema, pesquisador de história do audiovisual e curador. Escreve para a edição semanal impressa de CartaCapital.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.