É curioso ter ativo em royalty de música cujo lastro apoia-se no ‘jabá’

Chama a atenção investimento em ativos de canções quando se sabe que espaços para execução musical são muitas vezes comprados

Foto: br.freepik.com

Foto: br.freepik.com

Cultura

Os investimentos em ativos alternativos no Brasil apontam crescimento. A categoria desse tipo de aplicação é diferente do tradicional, que oferece ações, títulos e fundos. Mas possuem riscos.

Está dentro do grupo de ativos alternativos o mercado imobiliário, tendo o investidor aplicado capital na construção de um empreendimento imobiliário, prevendo retorno depois, por exemplo, com aluguel da edificação.

Eles são regulados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e negociados por fintechs, bancos e corretoras, assim como são os ativos convencionais. É considerada uma forma de investimento para diversificar carteira de investidor. E, como qualquer investimento, antes é preciso conhecer o lastro financeiro do ativo para ter mais garantia no negócio.

Entre os ativos alternativos está também a aquisição de direitos de canções e compositores ou royalties de música. Mas o lastro financeiro do segmento é repleto de questionamentos.

No Brasil, assim como em outros países, gravadoras sempre reservaram verba de marketing para compra de espaços em emissoras de rádio e TV para divulgação de seus artistas. São vultosos recursos. Atualmente, cantores pagam também diretamente para ter suas músicas executadas nos meios de comunicação.

Já faz tempo que se tenta criminalizar a prática no Brasil, que tem o nome de “jabá”, pois privilegia poucos em detrimentos de muitos artistas numa concessão pública, que possui como premissa de existência a valorização e promoção da cultura de forma diversa, estimulando a produção independente.

Em uma versão moderna do jabá, descobriu-se mais recentemente que músicos inflam audiência nas plataformas de streaming de música com robôs acessando automaticamente vídeos e áudios, o pagamento de serviços de seguidores que geram “likes” e a negociação financeira para participação em playlists na internet.

Empresas digitais que atuam nesse campo dizem estar coibindo e dificultando a prática. Os meios de comunicação sempre disseram que não compactuam com o jabá. Enquanto isso, um bom posicionamento e presença, seja na internet ou no rádio, possibilita ao artista a realização de mais shows e fechamento de patrocínios.

Investimentos em ativos de royalties de música caminham nessa linha tênue. Podem ser intangíveis, mas existem. Como investir em um catálogo de forró eletrônico ou sertanejo e seus compositores, com canções lançadas e outras ainda a serem lançadas, dentro desse quadro promíscuo? Ou o investimento que será feito será usado justamente para a prática do jabá?

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Jornalista há 25 anos, com passagem em diversas editorias. Foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Compartilhar postagem