…

Mad Men: Don Draper morreu

Cultura

Só mesmo os publicitários podem competir no quesito ego, em pé de (quase) igualdade, com os jornalistas e os treinadores de futebol. A série Mad Men, agora em fase terminal, veio reforçar o estereótipo, exibindo a empavonada fauna da Madison Avenue no pleno exercício de uma impiedosa esgrima de vaidades arrogantes.

Era assim a vida nas agências megalomaníacas dos anos 60 a exemplo da fictícia Sterling Cooper, bafejadas pelo capitalismo epifânico do pós-Guerra, pela cultura de massa, a expansão midiática, a euforia do consumo. Mad Men surfa numa onda de excitação que propicia àqueles senhores, com a mesma ética sinuosa dos tribunais brasileiros, o impulso de arrancar o melhor – e o pior – de si mesmos.

Não vejo muitos Dons Draper no atual cenário da propaganda made in Brazil e essa é uma boa notícia. A chama da criatividade, atiçada com o suporte de tanto planejamento e tanta tecnologia, sustentada nos bastidores por pilhas e pilhas de pesquisas, pressupõe um compartilhamento coletivo, parece prescindir do brilhareco ilusionista de um único geniozinho carismático. Desconfio que vale para a publicidade mundo afora.

Ao fim da década de ouro tão deliciosamente dissecada por Matthew Weiner, ficou claro: o produto que Don Draper melhor sabia vender era… Don Draper. A purpurina das estrelas do advertising ficou para trás, juntamente com suas gravatas extravagantes.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem