Cultura

Mad Men: Don Draper morreu

A propaganda aprecia o talento individual, mas hoje dispensa o brilhareco dos geniozinhos. Melhor assim

Madison Avenue não é aqui
Apoie Siga-nos no

Só mesmo os publicitários podem competir no quesito ego, em pé de (quase) igualdade, com os jornalistas e os treinadores de futebol. A série Mad Men, agora em fase terminal, veio reforçar o estereótipo, exibindo a empavonada fauna da Madison Avenue no pleno exercício de uma impiedosa esgrima de vaidades arrogantes.

Era assim a vida nas agências megalomaníacas dos anos 60 a exemplo da fictícia Sterling Cooper, bafejadas pelo capitalismo epifânico do pós-Guerra, pela cultura de massa, a expansão midiática, a euforia do consumo. Mad Men surfa numa onda de excitação que propicia àqueles senhores, com a mesma ética sinuosa dos tribunais brasileiros, o impulso de arrancar o melhor – e o pior – de si mesmos.

Não vejo muitos Dons Draper no atual cenário da propaganda made in Brazil e essa é uma boa notícia. A chama da criatividade, atiçada com o suporte de tanto planejamento e tanta tecnologia, sustentada nos bastidores por pilhas e pilhas de pesquisas, pressupõe um compartilhamento coletivo, parece prescindir do brilhareco ilusionista de um único geniozinho carismático. Desconfio que vale para a publicidade mundo afora.

Ao fim da década de ouro tão deliciosamente dissecada por Matthew Weiner, ficou claro: o produto que Don Draper melhor sabia vender era… Don Draper. A purpurina das estrelas do advertising ficou para trás, juntamente com suas gravatas extravagantes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo