Cultura

assine e leia

Discos e arquivos desempoeirados

Após digitalizar todo o catálogo, a lendária gravadora Som da Gente cede os direitos autorais para os músicos

Entre 1981 a 1991, o selo dedicado ao gênero instrumental lançou 46 álbuns, muitos dos quais são até hoje referência. A lista de artistas inclui Hermeto Paschoal e Roberto Sion – Imagem: Acervo/Som da Gente
Apoie Siga-nos no

Há muito tempo, mundo afora, quem deseja comprar um disco de música erudita com a garantia da excelência busca o emblema amarelo da Deutsche Grammophon, companhia que lançou trabalhos de maestros como Herbert von Karajan e Carlos ­Kleiber, e de solistas da categoria da pianista Martha Argerich e da violinista ­Anne-Sophie Mutter.

Este singular método de escolha também era comum no Brasil dos anos 1980, só que entre os admiradores de música instrumental. A procura, no caso, era pelo emblema com notas musicais nas cores da bandeira do Brasil do selo Som da Gente, que gravou o que de melhor se produziu do gênero no País.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo