Cultura

assine e leia

De dor e esperança

Após um hiato de sete anos, João Bosco lança um novo disco no qual se conecta aos Yanomâmi e apresenta uma canção inédita feita com Aldir Blanc

Novas rimas. Boca Cheia de Frutas traz várias parceiras do artista com o filho Francisco Bosco, filósofo e escritor – Imagem: Victor Correa
Apoie Siga-nos no

Boca Cheia de Frutas, novo álbum de João Bosco, é, segundo o próprio cantor e compositor, “um passo novo numa linha que já vem de muito tempo” e que começou a ser tecida quando lançou sua primeira gravação, a profana Agnus Sei (1972), feita em parceria com Aldir Blanc.

“Como músicos, todos estamos sentindo e fazendo música sobre o que nos influencia”, diz o artista, em conversa por telefone com CartaCapital, para falar sobre esse que é seu primeiro disco de inéditas em sete anos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo