Cultura

Dançando sobre o milho

Você sabe por que precisa estudar?

Mês de junho, fim do semestre, fim das aulas. Fico imaginando o que passa pela cabeça das crianças. Uns vão à escola porque as mães não os aguentam mais dentro de casa. Dá para se dizer que vão expulsos para a escola. Fazer o quê, com essas crianças durante um mês inteiro aporrinhando a paciência dentro de casa. Outros, mais numerosos, talvez, suportam desde cedo o sonho de um dia passar no vestibular. E outros motivos, é claro, hão de existir. 

Como andam erradas as coisas. Dá pena ver uma criatura que desde cedo é obrigada a carregar os sonhos frustrados dos pais. Nesses casos, pode-se dizer que o diploma vai servir principalmente para esfregar na cara de alguns parentes e de todos os vizinhos, em primeiro lugar daqueles que viviam dizendo que aquele lá, o filho do vizinho, aquilo não vira gente, de jeito nenhum.

São estes últimos os alunos que chegam à escola e perguntam: Mas pra que droga eu tenho de aprender geografia? Não é pra tirar o diploma, não, minha pobre e mal encaminhada criança. O diploma é apenas o atestado de que você aprendeu alguma coisa que a sociedade considera útil. Entendeu?

Isso me faz lembrar um conto do Luiz Vilela. Uma velhinha, no meio de sua horta, morria de medo dos aviões que passavam e perguntava aos filhos se a guerra era longe. Quanto assombro, quanto medo desnecessário! Ela não tinha noção de que a guerra acontecia do outro lado do oceano. E talvez nem soubesse o que era o oceano. 

Sabe-se que os astecas mantinham uma tradição religiosa, ligada ao cultivo do milho. Depois de jogar as sementes na cova e cobri-las, eles dançavam sobre a roça, caso contrário não choveria e as sementes não germinariam. Era sua compreensão das relações de causa e efeito. Sua dança trazia a chuva. 

Muitas vezes, nos tempos em que ganhava a vida dando aula, respondi, quando ouvia a pergunta desafiadora “Pra que é que eu tenho de estudar geografia?” Muito simples, meu jovem, é pra que você não fique dançando em cima do milho.

Parece impossível, mas não é. Em pleno século XXI tem muita gente acreditando em Saci, mesmo que lhe tenham retirado o cachimbo. Esses, pode-se dizer que ainda dançam. Em cima do milho ou de qualquer outra coisa. Mas dançam.  

Você já imaginou um médico que saiba um pouquinho de química e bastante de biologia, mas só isso? Ele vai olhar para o céu morrendo de medo dos aviões que passam. Espera-se deles que não tenham feito aquele tipo de perguntas. 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!