Cultura

Contra a dublagem, em nome da arte

A campanha #DubladoSemOpçãoNão já coletou mais de 3.500 assinaturas e os insatisfeitos protestam ainda no Facebook e Twitter.

O que dizer então da voz de um Jack Nicholson quando incorpora o demônio em as “As Bruxas de Steawick”?
O que dizer então da voz de um Jack Nicholson quando incorpora o demônio em as “As Bruxas de Steawick”?

Está correndo na internet uma espécie de manifesto contra a dublagem dos filmes que passam nos canais pagos.

A campanha #DubladoSemOpçãoNão já coletou mais de 3.500 assinaturas e os insatisfeitos protestam ainda no Facebook e  Twitter.

Segundo os líderes dessa mobilização o problema não é propriamente a dublagem, em si. Mas com o fato das emissoras não deixarem opção aos assinantes.

A preferência por filmes dublados vem da constatação em pesquisa de que o telespectador prefere essa opção.

E como  quem  comanda o mundo é o mercado (até inventarem outra solução), as emissoras se submetem a essa maioria.

A  tendência tem se agravado com a emergência da chamada “classe C”, que teria dificuldades em acompanhar a leitura das legendas.

Nos últimos tempos, com a ascensão da classe C, o número de consumidores da TV fechada subiu.

Aí é que começa o “imbróglio” .

Ser contra a dublagem e a favor dos filmes legendados passa a ser visto como uma atitude elitista.

Mas convenhamos que, para alguém que curta o cinema, ouvir a voz do intérprete pode ser fundamental.

Vamos a alguns exemplos, de clássicos do cinema. Começando com uma voz que sequer é humana, a do “personagem” Hal, o robô rebelde de “2001, Odisséia no Espaço”.

Talvez fosse necessário convocar o nosso prezado Zé do Caixão para , depois de treinos exaustivos, conseguir a mesma soturna inquietação que Hal provoca no espectador à cada vez em que se manifesta.

Não é fácil imitar a voz de um robô dirigido por Kubrick.

O que dizer então da voz de um Jack Nicholson quando incorpora o demônio em as “As Bruxas de Eastwick”?

Não sou diretor de cinema, mas acredito que, pelo menos em alguns casos, ele deve cogitar se um certo ator tem a voz adequada para determinado papel.

Imagino que F.F. Copolla, ao compor o personagem do coronel que surta em “Apocalypse Now”, tivesse em mente a figura e o tom de voz de Marlon Brando.

E no caso da voz de Brando como Don Corleone?

A preocupação com a voz do “capo” mafioso foi tanta que levou Brando a encher a boca com chumaços de algodão nas suas falas.

Seria ocioso lembrar obras-primas da história do cinema que perderiam grande parte do seu impacto se tivessem sido dubladas.

Quem, treinado ou não, seria capaz de “imitar” a inesquecível voz de Marilyn Monroe em “O Pecado Mora ao Lado” ?

E a voz daquele tremendo ator, Joe Pesci, que praticamente só tem uma palavra no seu repertório, “fuck you”.

Aliás, como traduzir essa expressão?

E o coronel cego Al Pacino, no seu enfático discurso anti-conservador nas cenas finais de “Perfume de Mulher”?

Vamos a outro caso extremo. Quem seria capaz de dublar o Mario Moreno , o Cantinflas, na hora em que ele dispara sua metralhadora giratória de puro e genial besteirol?

E quem dublaria o fantástico Totó, e seu italiano peculiaríssimo?

Não, meus amigos, no caso não se trata de ser metido a intelectualóide ou elitista.

Em cinco anos, as tevês pagas saltaram de 4 para aproximadamente 12 milhões de brasileiros.

Essa audiência prefere ver filmes dublados. Perfeito. Mas dêem aos que gostam do cinema como ele é a opção de respeitarem a obra de arte.

Há meios para as emissoras colocarem no ar as opções: 1 – som original, com legendas; 2 – dublado em português.

Como se fosse um DVD qualquer, até mesmo uma cópia pirata.

Está correndo na internet uma espécie de manifesto contra a dublagem dos filmes que passam nos canais pagos.

A campanha #DubladoSemOpçãoNão já coletou mais de 3.500 assinaturas e os insatisfeitos protestam ainda no Facebook e  Twitter.

Segundo os líderes dessa mobilização o problema não é propriamente a dublagem, em si. Mas com o fato das emissoras não deixarem opção aos assinantes.

A preferência por filmes dublados vem da constatação em pesquisa de que o telespectador prefere essa opção.

E como  quem  comanda o mundo é o mercado (até inventarem outra solução), as emissoras se submetem a essa maioria.

A  tendência tem se agravado com a emergência da chamada “classe C”, que teria dificuldades em acompanhar a leitura das legendas.

Nos últimos tempos, com a ascensão da classe C, o número de consumidores da TV fechada subiu.

Aí é que começa o “imbróglio” .

Ser contra a dublagem e a favor dos filmes legendados passa a ser visto como uma atitude elitista.

Mas convenhamos que, para alguém que curta o cinema, ouvir a voz do intérprete pode ser fundamental.

Vamos a alguns exemplos, de clássicos do cinema. Começando com uma voz que sequer é humana, a do “personagem” Hal, o robô rebelde de “2001, Odisséia no Espaço”.

Talvez fosse necessário convocar o nosso prezado Zé do Caixão para , depois de treinos exaustivos, conseguir a mesma soturna inquietação que Hal provoca no espectador à cada vez em que se manifesta.

Não é fácil imitar a voz de um robô dirigido por Kubrick.

O que dizer então da voz de um Jack Nicholson quando incorpora o demônio em as “As Bruxas de Eastwick”?

Não sou diretor de cinema, mas acredito que, pelo menos em alguns casos, ele deve cogitar se um certo ator tem a voz adequada para determinado papel.

Imagino que F.F. Copolla, ao compor o personagem do coronel que surta em “Apocalypse Now”, tivesse em mente a figura e o tom de voz de Marlon Brando.

E no caso da voz de Brando como Don Corleone?

A preocupação com a voz do “capo” mafioso foi tanta que levou Brando a encher a boca com chumaços de algodão nas suas falas.

Seria ocioso lembrar obras-primas da história do cinema que perderiam grande parte do seu impacto se tivessem sido dubladas.

Quem, treinado ou não, seria capaz de “imitar” a inesquecível voz de Marilyn Monroe em “O Pecado Mora ao Lado” ?

E a voz daquele tremendo ator, Joe Pesci, que praticamente só tem uma palavra no seu repertório, “fuck you”.

Aliás, como traduzir essa expressão?

E o coronel cego Al Pacino, no seu enfático discurso anti-conservador nas cenas finais de “Perfume de Mulher”?

Vamos a outro caso extremo. Quem seria capaz de dublar o Mario Moreno , o Cantinflas, na hora em que ele dispara sua metralhadora giratória de puro e genial besteirol?

E quem dublaria o fantástico Totó, e seu italiano peculiaríssimo?

Não, meus amigos, no caso não se trata de ser metido a intelectualóide ou elitista.

Em cinco anos, as tevês pagas saltaram de 4 para aproximadamente 12 milhões de brasileiros.

Essa audiência prefere ver filmes dublados. Perfeito. Mas dêem aos que gostam do cinema como ele é a opção de respeitarem a obra de arte.

Há meios para as emissoras colocarem no ar as opções: 1 – som original, com legendas; 2 – dublado em português.

Como se fosse um DVD qualquer, até mesmo uma cópia pirata.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!