Cultura

Com Sérgio Sá Leitão na Ancine, o cinema brasileiro está em perigo?

Indicação feita pelo governo Michel Temer causa ruído na classe artística brasileira preocupada com os rumos da política pública cultural

Sem diálogo, o ministro Roberto Freire indicou para a diretoria da agência o jornalista Sérgio Sá Leitão
Sem diálogo, o ministro Roberto Freire indicou para a diretoria da agência o jornalista Sérgio Sá Leitão
Apoie Siga-nos no

Nas últimas horas, recebi uma grande quantidade de ligações e mensagens de cineastas, atores, atrizes, produtores e trabalhadores da indústria cinematográfica, principalmente do Rio e de São Paulo, preocupadíssimos por mais uma indicação do governo golpista num órgão fundamental para as políticas de cultura: a Ancine.

Sem nenhum tipo de diálogo com a gente que faz cinema no Brasil e conquista o aplauso dos espectadores no país e da crítica e dos júris nos festivais internacionais, o ministro Freire indicou para a diretoria da agência um conhecido do PMDB, Sérgio Sá Leitão, quem já ocupou a direção da RioFilme na gestão de Eduardo Paes no Rio de Janeiro e atua no âmbito privado como CEO de uma produtora e diretivo do grupo Severiano Ribeiro.

De acordo com uma reportagem do Globo, naquela época, ele sugeriu, numa troca de e-mails do governo, um movimento para “enquadrar”, “isolar” e “tirar a base de apoio” de um grupo de cineastas independentes do Rio. Uma atitude bastante pouco republicana, por dizer o mínimo…

O que todas as pessoas do cinema que ouvi me disseram é que a gestão de Sá Leitão no ente municipal carioca deixou muito a desejar: fala-se em autoritarismo, perseguição contra conselheiros que questionaram suas políticas (acusações sobre as quais ele deverá dar sua versão na sabatina do Senado, porque são graves e devem ser esclarecidas) e favorecimento de determinadas empresas.

De acordo com alguns dos cineastas que falaram comigo, Sá Leitão destinava quase a totalidade da verba pública para produções de unas poucas produtoras de grande porte, locais e estrangeiras. Segundo os cineastas que falaram comigo, 57% do dinheiro investido pela Riofilme foi por escolha direta da diretoria (sem edital ou comitê de seleção) e cerca de 40% foi investido em apenas 10 (grandes) produtoras.

Aqui vale fazer uma ponderação que tem a ver com o modelo de gestão cultural que o Brasil precisa. As grandes produtoras fazem coisas excelentes e outras medíocres, da mesma forma que os estúdios americanos. Não tenho nada contra eles e, como espectador, disfruto de muitos filmes que eles produzem. Contudo, a ideia de se ter uma agência estatal para financiar produções audiovisuais com recursos públicos tem a ver, justamente, com a necessidade de colocar recursos onde muitas vezes o mercado e as grandes produtoras privadas não colocam.

A Ancine deveria cumprir um papel apoiando o cinema independente, incentivando o surgimento de novos talentos, apostando em produções que a lógica da bilheteria e do investimento privado não vai privilegiar.

Não faz sentido que o dinheiro público sirva para dar mais aos que já têm muito. E é nesse ponto, precisamente, que a política do PMDB, hoje à frente do governo golpista, entra em contradição com o que o país precisa. A relação promíscua entre funcionários públicos, partidos e empresários tira dinheiro que pagamos todos de onde ele faz falta por motivos que nada têm a ver com o interesse público.

Eu fui procurado para intervir nesta situação pela minha atuação na Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados, pela minha defesa do MinC quando o presidente ilegítimo quis extingui-lo e pela minha relação com o mundo da cultura e das artes, que inclui por exemplo o programa de televisão sobre cinema que realizo há tempos, Cinema em outras cores.

E eu pretendo acompanhar de perto o processo de nomeação na Ancine em parceria com colegas do Senado, porque a defesa de uma boa política pública para a cultura me parece fundamental.

Além de responder às críticas e às acusações que estão sendo feitas sobre o candidato do PMDB, que devem ser apuradas com transparência e isenção, o governo deveria fazer algo ainda mais básico: dialogar!

Indicar um diretor para a Ancine sem conversar com as pessoas que fazem cinema no Brasil é uma expressão perfeita da marca de nascença de este governo ilegítimo: o desprezo pela democracia e pela participação da sociedade nos assuntos públicos.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.