Cultura

Caetano, 70

Saiba quais são as palavras mais cantadas pelo artista que hoje completa 70 anos de idade e 45 de carreira

Nuvem de Caetano
Nuvem de Caetano

Caetano Veloso completa 70 anos nesta terça-feira 7. Para comemorar, CartaCapital  presta uma pequena homenagem, fazendo o levantamento de todas as músicas já registradas em disco pelo músico baiano.

Com fonte Calibri, tamanho 11 e espaçamento de 1,15, um total de 257 páginas de versos foi gerada no Word. Jogamos todo esse material em um daqueles sites que formam nuvens com as palavras mais recorrentes, deixando de fora alguns advérbios, preposições e conjunções. Da experiência, a impressão que fica é a de que não restou assunto a ser tratado por Caetano Veloso.

Caetano já cantou Bob Dylan, Paul McCartney, Cole Porter. Também já fez versões para Nirvana, Steve Wonder, Fito Páez. Resgatou canções antigas de Monsueto Menezes e Dorival Caymmi. Surpreendeu ao cantar os “bregas” Peninha e Odair José. Como não poderia deixar de ser, Caetano cantou João Gilberto e Gil, Chico Buarque, Milton Nascimento, Jorge Ben, João Bosco. Já musicou os poetas Fernando Pessoa e Castro Alves. No século XXI, Caetano canta Kassin e Pedro Sá.

Caetano exaltou Sampa, Londres, o Rio de Janeiro, Santo Amaro da Purificação, Salvador. Ele já quis voltar para a Bahia e também sentiu vontade de visitar Cuba. Cantou aindapara Irenes, Claras, Clarices, Carolinas e Patrícias. Falou de Coca-Cola, de Brigitte Bardot, de Madona, de Condoleezza Rice, de Osama Bin Laden. Prestou homenagem a Michelangelo Antonioni e fez um canto de afoxé para o bloco Ilê Aiê. Caetano já falou de Deus.

Tudo com a mais rudimentar das ferramentas: as palavras de rotina de qualquer brasileiro..

 

Caetano Veloso completa 70 anos nesta terça-feira 7. Para comemorar, CartaCapital  presta uma pequena homenagem, fazendo o levantamento de todas as músicas já registradas em disco pelo músico baiano.

Com fonte Calibri, tamanho 11 e espaçamento de 1,15, um total de 257 páginas de versos foi gerada no Word. Jogamos todo esse material em um daqueles sites que formam nuvens com as palavras mais recorrentes, deixando de fora alguns advérbios, preposições e conjunções. Da experiência, a impressão que fica é a de que não restou assunto a ser tratado por Caetano Veloso.

Caetano já cantou Bob Dylan, Paul McCartney, Cole Porter. Também já fez versões para Nirvana, Steve Wonder, Fito Páez. Resgatou canções antigas de Monsueto Menezes e Dorival Caymmi. Surpreendeu ao cantar os “bregas” Peninha e Odair José. Como não poderia deixar de ser, Caetano cantou João Gilberto e Gil, Chico Buarque, Milton Nascimento, Jorge Ben, João Bosco. Já musicou os poetas Fernando Pessoa e Castro Alves. No século XXI, Caetano canta Kassin e Pedro Sá.

Caetano exaltou Sampa, Londres, o Rio de Janeiro, Santo Amaro da Purificação, Salvador. Ele já quis voltar para a Bahia e também sentiu vontade de visitar Cuba. Cantou aindapara Irenes, Claras, Clarices, Carolinas e Patrícias. Falou de Coca-Cola, de Brigitte Bardot, de Madona, de Condoleezza Rice, de Osama Bin Laden. Prestou homenagem a Michelangelo Antonioni e fez um canto de afoxé para o bloco Ilê Aiê. Caetano já falou de Deus.

Tudo com a mais rudimentar das ferramentas: as palavras de rotina de qualquer brasileiro..

 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!