Cultura

Álbum sensível de voz e piano celebra os 75 anos de Aldir Blanc

O cantor Augusto Martins e o pianista Paulo Malaguti dão emotiva e precisa forma às composições do letrista que nasceu no dia 2/9

Aldir Blanc. Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

No dia 2 de setembro, o letrista Aldir Blanc, morto em 2020 vítima do novo coronavírus, faria 75 anos. Foi talvez a maior perda da cultura por conta da pandemia.

O cantor Augusto Martins, em seu oitavo álbum da carreira, dá uma forma comovente à obra de Aldir Blanc. A voz grave, usada com muita elegância, cabe bem às letras do compositor sofisticado e, ao mesmo tempo, ligado à vida comum.

Paulo Malaguti Pauleira, integrante do histórico grupo vocal MPB4, oferece ao piano um tom emotivo, preciso e sensível às composições de Aldir com seus diferentes parceiros.

Com o título de Como Canções e Epidemias, o trabalho tem músicas conhecidas e outras menos de Aldir Blanc. Há ainda uma inédita com Moacyr Luz, um de seus mais constantes parceiros, chamada Muito Além do Jardim.

“A poesia do Aldir está aí, viva, pulsante e presente no coração do brasileiro. Todo dia suas letras surgem de uma forma ou outra como profecias. Ele estaria estupefato com a torpeza de Bolsonaro, mas sua obra reage independente da sua presença física”, afirma Paulo Malaguti Pauleira.

Para Augusto Martins, Aldir é insubstituível e sempre foi preciso nas análises sobre o País. “Erudito e popular ao mesmo tempo, nos ajudava a entender nossas mazelas. Ria de si mesmo e nos fazia sorrir de nossas dores. Mas, imagino que nesse Brasil de hoje, estaria perplexo diante da burrice e da canalhice reinante”, diz.

O disco possui 14 composições e estará disponível completo nas plataformas de música no dia de aniversário de Aldir, 2 de setembro.

As faixas do álbum: Caça à Raposa (João Bosco e Aldir Blanc), Resposta ao Tempo (Cristovão Bastos e Aldir Blanc), Causa Perdida (Rosa Passos e Aldir Blanc), Querido Diário (João Bosco e Aldir Blanc), Por Favor (Ivan Lins e Aldir Blanc), Muito Além do Jardim (Moacyr Luz e Aldir Blanc), Filho de Nubia e Nilo com participação de Zé Renato (Moacyr Luz e Aldir Blanc), Corsário (João Bosco e Aldir Blanc), Rancho da Goiabada (João Bosco e Aldir Blanc), Odalisca (Guinga e Aldir Blanc), Retrato Cantado (Marcio Proença e Aldir Blanc), Vale à Pena Ouvir de Novo (Sombra e Aldir Blanc), Êxtase (Djavan e Aldir Blanc) e Altos e Baixos (Sueli Costa e Aldir Blanc).

É um disco para ouvir e meditar a falta que faz Aldir Blanc, um dos maiores letristas brasileiros de todos os tempos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo