…

Ai que vontade que dá!

Cultura

Tudo mudou de 1938 pra cá, tudo mesmo.  A gente viu nascer a televisão, o micro ondas, a máquina de lavar roupa, o secador de cabelo, o computador, a bicicleta Monark pneu balão e o grill George Foreman. 

De 1938 pra cá, apareceu o CD, o smartphone, o skype, o cartão de crédito, a senha e a moça do telemarketing.

Inventaram também o velcro, a fralda descartável, a camisa Volta ao Mundo, a calça jeans rasgada, foi muita coisa que inventaram.

O mundo em 1938 era outro. Foi nesse ano que estreou no rádio um programa chatíssimo chamado A Voz do Brasil. Foi o ano em que mataram Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, e sua companheira de luta, a Maria Bonita.

A gente sabe dessas coisas porque aprendeu nos livros de História, leu na Enciclopédia Barsa e viu em fotografias em preto e branco, coladas em álbuns com as páginas intercaladas por papel de seda. Agora, está tudo no Google. 

Tudo mudou mesmo nesse mundo, menos uma coisa, o bombom Sonho de Valsa.

Foi em 1938 que a tradicional fábrica de chocolate Lacta lançou no mercado, o tal Sonho de Valsa, um bombom de wafer recheado com massa e pedacinhos de castanha de caju, coberto com duas camadas de chocolate, embrulhado em papel estanho de cor vermelha e recoberto com celofane cor de rosa.

O sucesso foi imediato, principalmente entre os mocinhos apaixonados que davam de presente para suas amadas desembrulharem no escurinho do cinema assistindo Holiday, com Katharine Hepburn e Cary Grant.

Não teve nada nesse mundo que fizesse o Sonho de Valsa mudar. Até mesmo o nome romântico e meio brega, uma coqueluche na época, continua firme e forte. Fizeram uma pequena mudança aqui, outro ali na embalagem mas, no fundo no fundo, foi sempre o mesmo bom e velho Sonho de Valsa

Eu era pequenininho e lembro-me bem dele ali na vitrine da Padaria Savassi, um verdadeiro objeto do desejo. O Sonho de Valsa ficava ao lado do drops Dulcora que acabou, do chiclete Ping-Pong que acabou, do chocolate Kri que acabou e das bolachas Krek Krec, que já vinham mordidas pelo monstro e que também acabaram.

Sou um saudosista de marcas e produtos. Morro de saudade do Crush,  da pasta de dente Signal com hexaclorofeno nas listras vermelhas, do talco Regina, da blusa Ban-Lon, do Renault Gordini, das botinhas Verlon e do Calcigenol Irradiado

Sinto falta do tigre da Esso, do tucano da Varig, do basset da Cofap e da galinha azul da Maggi

Que bom que a gente não precisa sentir saudade do Sonho de Valsa que, fiquei sabendo, agora dá pra comprar até pela Internet.

Mas o Sonho de Valsa não está só, pensei aqui com os meus botões. O Toddy também não acabou, a pomada Minancora não acabou, a Maizena não acabou, o Leite Moça não acabou, o Biotônico Fontoura não acabou, o Polvilho Antisséptico Granado não acabou e o Ki-Suco, me disseram, voltou.

Quando eu estava no último parágrafo desta crônica, na hora em que eu ia falar do concorrente do Sonho de Valsa, daquele que também desperta minha memória e minha vontade de dar uma mordida, chegou a notícia de que a Nestlé, dona da Garoto, vai parar de fabricar o bombom que também tem nome démodé mas que continuava ai, firme e forte há décadas. Acredite! O Serenata de Amor vai acabar!

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem