Cultura

assine e leia

A desigualdade de gêneros na Coreia do Sul retratada por Cho Nam-Joo

Ex-roteirista de televisão tornou-se uma autora best-seller ao mostrar, em uma novela, a condição da mulher em seu país

Cho é ex-roteirista de televisão - Imagem: Jun M.Park
Cho é ex-roteirista de televisão - Imagem: Jun M.Park
Apoie Siga-nos no

Cho Nam-Joo, 41 anos, é uma ex-roteirista de televisão cuja novela ‘Kim Jiyoung, Nascida em 1982′ tornou-se um best-seller muito discutido, quando foi publicado na Coreia do Sul, em 2016, na mesma época em que o movimento #MeToo chegou ao país.

O livro de Cho, agora lançado no Brasil, usa a história de uma mulher para revelar a desigualdade de gêneros em todas as áreas da sociedade sul-coreana, desde a preferência por ter filhos homens até a discriminação e o assédio às mulheres no local de trabalho. Apesar de ser a 12ª economia do mundo, a Coreia do Sul, em um recente relatório sobre diferença de gêneros, está classificada em 108º lugar entre 153 países.

Holly Williams

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.