CartaExpressa

‘Toca a vida’, aconselha Bolsonaro ao minimizar a pandemia

‘Toca a vida’, aconselha Bolsonaro ao minimizar a pandemia

Presidente também disse que o auxílio emergencial não será prorrogado

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro voltou a minimizar a pandemia do novo coronavírus que, só no Brasil, vitimou mais de 193 mil pessoas.

“Não deu certo, seis meses de lockdown não deu certo e essa política não pode continuar sendo dessa forma. O povo está aqui na praia. Nem vou falar que tem aglomeração. Como eu disse no começo, nós temos que enfrentar, tomar conta dos mais idosos, quem tem comorbidade. Toca a vida. E economia tem que andar de mão dada com a vida”, afirmou o presidente na quarta-feira 30 ao passear, sem máscara, pela Praia Grande, em São Paulo.

Na ocasião, Bolsonaro também disse que o auxílio emergencial não será prorrogado.

“Sei que muitos cobram, querem coisa melhor e alguns esquecem até que estamos terminando um ano atípico, onde nós nos endividamos em R$ 700 bilhões para conter a pandemia, [para] dar o auxílio emergencial para quem perdeu tudo. Os informais, em grande parte, perderam tudo, a renda foi a zero. Querem que a gente renove [o auxílio emergencial], mas a nossa capacidade de endividamento chegou ao limite”, declarou.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem