CartaExpressa

STF define as penas de mais 15 condenados pelo 8 de Janeiro

Os réus foram sentenciados por cinco crimes, entre eles abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado

O ministro do STF Alexandre de Moraes. Foto: Gustavo Moreno/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O Supremo Tribunal Federal finalizou o julgamento de mais 15 envolvidos nos atos golpistas de 8 de Janeiro de 2023. Os ministros se manifestaram até 20 de fevereiro, mas a Corte não havia formado maioria para definir a duração das penas.

As sentenças foram fixadas em 16 anos e 6 meses de prisão para nove pessoas e em 13 anos e 6 meses de prisão para outras seis. Como na definição das penas não houve maioria, as condenações foram estabelecidas com base no voto médio.

Os réus foram sentenciados pelos crimes de associação criminosa armada, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, tentativa de golpe de Estado, dano qualificado e deterioração de patrimônio tombado.

A condenação também determina o pagamento de indenização por danos morais coletivos, no valor mínimo de 30 milhões de reais. Esse valor será quitado de forma solidária por todos os condenados, independentemente da pena.

Ao todo, o Supremo já condenou 101 pessoas por participação nos atos. As penas variam de 3 a 17 anos de prisão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar