CartaExpressa

‘Sou de Maringá, colonização paulista’, diz Moro ao tentar explicar domicílio eleitoral em SP

O movimento está na mira da Procuradoria Regional Eleitoral do estado, que encaminhou ao Ministério Público Eleitoral uma notícia-crime contra o ex-juiz

O ex-juiz Sergio Moro. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-juiz Sergio Moro (União Brasil) tentou explicar nesta quarta-feira 20 a sua decisão de transferir o domicílio eleitoral de Maringá (PR) para a cidade de São Paulo. O movimento está na mira da Procuradoria Regional Eleitoral do estado, que encaminhou ao Ministério Público Eleitoral uma notícia-crime contra Moro e sua mulher, Rosângela Moro, por suposta prática de crime eleitoral.

“Eu tenho uma série de vínculos com São Paulo. Sou cidadão honorário de várias cidades aqui, da época da Lava Jato. Tenho homenagens, medalhas, Ordem do Ipiranga”, alegou Moro em entrevista à CNN Brasil. “E tenho uma relação próxima. Sou de Maringá, norte do Paraná, colonização paulista. Acabei fazendo essa opção por entender que, nesse conjunto de construção do centro democrático, era o movimento político necessário.”

O ex-ministro de Jair Bolsonaro também afirmou que São Paulo será “um dos centros dos acontecimentos” e que “o que acontece em São Paulo rebervera (sic) em todo o País”.

A denúncia encaminhada pela Procuradoria afirma que Moro e Rosângela fizeram a mudança de domicílio sem ter “qualquer vínculo” com São Paulo. Os dois se filiaram recentemente ao União Brasil e cogitam ser candidatos à Câmara dos Deputados ou ao Senado pelo estado.

Hoje, para fazer a troca de domicílio, a legislação exige residência de ao menos três meses no novo local. Porém, uma jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral estabelece que o domicílio eleitoral também ocorre pela constituição de “vínculos políticos, econômicos, sociais ou familiares”.

A defesa de Moro afirma que o ex-ministro estabeleceu São Paulo como sua base política desde que voltou dos Estados Unidos, em novembro. Diz ainda que ele passou a residir na capital paulista, no Hotel Intercontinental, cumprindo “agendas semanais” e “valendo-se da cidade como seu hub”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.