CartaExpressa

Sociedade de Medicina do Rio chama governantes de homicidas

Entidade reagiu à morte do médico Ricardo José Lopes da Cruz por Covid-19

Foto: Reprodução Foto: Reprodução
Foto: Reprodução Foto: Reprodução

Em reação à morte do médico Ricardo José Lopes da Cruz por Covid-19, a Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro divulgou uma nota de pesar com críticas duras à condução dos governantes no combate à pandemia do novo coronavírus.

O texto assinado pelo presidente da entidade, Celso Ferreira Ramos Filho, fala em “política homicida”.

“Ricardo morre após dez meses de pandemia, quando a percepção errônea da sociedade de que a transmissão está em vias de se extinguir levou a um relaxamento das normas de distanciamento social, com o consequente aumento da transmissão comunitária do SARS-CoV-2. Percepção errônea esta estimulada e coonestada por uma política homicida (repitamos: homicida) por parte de autoridades municipais, estaduais e federais (em final, meio ou começo de mandato), que trocam votos e apoios por uma proposta indulgente e sedutora, que pode ser popular e atraente, mas que é (repitamos, ainda) simplesmente homicida”, afirma o presidente na nota.

Leia na íntegra.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!