CartaExpressa

‘Só Milton Ribeiro pode dizer o que aconteceu’, diz ministro da Educação sobre o escândalo do MEC

Victor Godoy ocupava o cargo de secretário-executivo da pasta durante a gestão de Ribeiro

Foto: Wilson Dias/ABR
Foto: Wilson Dias/ABR
Apoie Siga-nos no

Em audiência pública sobre o escândalo no Ministério da Educação, o atual chefe da pasta, Victor Godoy Veiga, disse que somente o ex-ministro Milton Ribeiro pode detalhar as supostas práticas de tráfico de influência no MEC. Também argumentou que, enquanto trabalhava com Ribeiro, não recebeu pedidos para cometer irregularidades.

As explicações sobre a atuação de pastores como lobistas no MEC foram solicitadas pelas comissões de Educação e Fiscalização e Controle da Câmara. Além de Veiga, foi convidado o ministro-chefe da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário.

Ao ser questionado pelo deputado federal Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ) se colocaria a “mão no fogo” pelo ex-ministro, Veiga afirmou que “só Milton Ribeiro pode dizer o que aconteceu”. 

“Minha relação com o ministro sempre foi de cordialidade, de respeito profissional. Espero que ele esclareça tudo o que aconteceu. Só ele pode dizer o que aconteceu”, disse o atual ministro. “Meu secretário-executivo não acompanha 10% das minhas agendas, porque ele tem as agendas dele. Era exatamente a forma como eu trabalhava com o ex-ministro Milton.”

Em relação a indícios de sobrepreço e outras irregularidades no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Veiga declarou que a pasta promoverá um novo pregão e corrigirá os erros apontados pela CGU. “O FNDE vai adotar todas as providências de aprimoramento e iniciar novo certame, garantindo que nada de errado seja praticado.”

 

Camila da Silva

Camila da Silva
Repórter e Produtora de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.