CartaExpressa,Política

‘Só bandido’ usa o direito de ficar calado na CPI, disse Onyx em 2015

‘Só bandido’ usa o direito de ficar calado na CPI, disse Onyx em 2015

Onyx Lorenzoni e Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP

Onyx Lorenzoni e Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP

Em 2015, o atual ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, declarou que, “em CPI, quem se vale do direito de ‘ficar calado’ tem coisa a esconder” e “só bandido usa isso”.

A mensagem, publicada nas redes sociais em 11 de maio daquele ano, foi recuperada por internautas nesta quarta-feira 30, dia em que o empresário Carlos Wizard permaneceu em silêncio durante a sessão da CPI da Covid. Ele se utilizou de um habeas corpus concedido pelo ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal.

 

 

Na ocasião, Onyx comentava o depoimento de Nestor Cerveró à CPI da Petrobras. À época, o político do DEM ocupava o posto de deputado federal pelo Rio Grande do Sul.

Antes, em 17 de setembro de 2014, Onyx escreveu nas redes sociais: “CPI da Petrobras — toda vez que um bandido veio à CPI, quis ficar calado”.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem