CartaExpressa

Sikêra Jr. zomba dos funcionários com salários atrasados da RedeTV!

Sikêra Jr. zomba dos funcionários com salários atrasados da RedeTV!

Os grevistas querem restituição salarial de 18,72% e alegam que o último dissídio aprovado foi para o triênio de 2016 a 2018

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O apresentador Sikêra Jr. zombou do movimento grevista de radialistas da emissora que pede reajuste salarial na RedeTV!.

Durante o programa Alerta Nacional, o comunicador se reuniu com alguns assistentes que passavam pelo palco com placas escritas ‘CPF cancelado”, gíria utilizada por Sikêra para se referir à morte de acusados de crimes.

“Ei, você, que tá na porta da RedeTV!. Acaba com isso. Vamos trabalhar. Olha, tem muita gente desempregada querendo tomar o seu lugar. Não é hora pra isso”, afirmou.

Na sequência, o apresentador reagiu às declarações feitas sobre o seu salário: “‘Ah Sikera, você fala que você ganha bem’. Demorou tanto, 33 anos para chegar”, disse.

 

 

A manifestação do apresentador foi vista como repulsa pelos grevistas que entenderam o ato como ‘assédio moral coletivo’. “É um caso de assédio moral coletivo. Todos nós sabemos que ‘CPF cancelado’ é uma gíria de miliciano para pessoa morta. O que ele quer dizer com isso?”, questionou o diretor do sindicato dos radialistas e funcionário da RedeTV!, Hegberto Paschoa Balboni.

Nesta sexta-feira 3, a paralisação chega ao seu quarto dia. Os radialistas participam de uma audiência de conciliação. O grupo quer restituição salarial de 18,72% e alegam que o último dissídio aprovado foi para o triênio de 2016 a 2018. “E Sikera Jr, de cima dos 500 mil reais por mês de salário e merchant, fica pedindo o fim da greve”, afirmaram os grevistas.

A Rede TV! chegou a propor uma antecipação salarial de 3,8% aos grevistas, mas a proposta não foi aceita.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem